Daniel Rocha

Alentejo

Montado, património da Humanidade?

A Entidade Regional de Turismo do Alentejo quer ver o montado classificado pela UNESCO. A ideia é valorizar um ecossistema "único no mundo". José Manuel Fernandes e Daniel Rocha aproveitaram o pretexto para ir descobri-lo. Voltaram com sugestões para quatro roteiros por entre sobreiros e azinheiras

Uma árvore isolada, estendendo os braços numa aba larga que ensombreia uma dúzia de metros quadrados no meio da seara. Um bosque bem tratado, com árvores a espaços regulares, o ritmo dos troncos sublinhado pelos diferentes tons da casca, sinal do tempo passado desde a última retirada de cortiça. Colinas suaves que se estendem a perder de vista e onde as azinheiras convivem com os sobreiros, e também com os inúmeros porcos pretos que catam as bolotas. Ecossistemas complexos e ricos, onde estão presentes muitas espécies raras apesar de forte presença humana. 

Não há um só tipo de montado - há quase tantos tipos de montado como há diferentes tipos de paisagem no Portugal de influência mediterrânica. Assim como há montados na vertente sul da serra do Gerês, tal como os encontramos nos planaltos de Mirandela. Ou à beira das estradas que sobem de Portimão para a serra de Monchique. Há montados de sobro (compostos unicamente por sobreiros) na rica lezíria do Tejo, tal como há montados de azinho (apenas com as mais rústicas azinheiras) nas terras escalavradas que fazem fronteira com Espanha além Guadiana. 

Mesmo assim, a Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo quer candidatar o montado à classificação, pela UNESCO, de Património da Humanidade. Para quê? Para valorizar o que é realmente um ecossistema "único no mundo" e, por arrastamento, promover o turismo na região. Faltará o mais importante - assegurar a preservação do montado, ameaçada pela perda de rentabilidade económica e pela decadência de muitas áreas de sobreiral e azinheiral -, mas o pretexto surgiu: que tal partir à descoberta do montado alentejano?

O desafio parece fácil mas comportou uma dificuldade inicial: a da escolha. Afinal, onde é que se podem apreciar os melhores trechos desta paisagem natural? A Fugas dá-lhe quatro sugestões. Todas elas associadas a programas que permitam associar bonitos passeios em áreas de montado com outras actividades.

Pelos caminhos da lezíria

Por onde começar? Talvez pelo óbvio, pelo maior montado de sobro em mancha contínua. Até porque este enorme montado - 6500 hectares - fica às portas de Lisboa, a apenas uma meia hora de viagem. 

O ponto de encontro pode ser na Ermida de São José, pouco antes de chegarmos a Porto Alto, depois de cruzarmos o Tejo vindos de Vila Franca. A pequena construção, erguida à beira da estrada - ou soerguida, pois a capela como que assenta numa base sobrelevada para evitar os danos de eventuais cheias - foi construída em meados do século XVIII, mais ou menos ao mesmo tempo que a outra ermida da Lezíria Grande, a de Alcamé, esta mais imponente e sede de uma importante romaria. E se este último nome vem do termo árabe al-khameh, termo que indiciaria a abundância de cereais, a verdade é que caminhamos por terras que nesses séculos eram designadas por al-jazirâ, nome que designa "a ilha" ou "a península" e que o correr do tempo transformou em "lezíria". O tempo, porém, não apagou ainda os traços da "ilha", pois estes terrenos chãos, imaculadamente planos, da Lezíria Grande são ainda hoje limitados pelos braços do Tejo e do Sorraia. 

Temos pois de, no final da recta do Cabo, transpor uma vala e, já em Porto Alto, virar à direita, em direcção a Alcochete para, logo a seguir, tomar um caminho à esquerda em direcção à coudelaria da Companhia das Lezírias. Mal o fazemos, entramos num montado muito cuidado onde é fácil distinguir os números que, pintados no tronco das árvores, registam o ano em que foi tirada a cortiça. Vemos muitos "noves" (de 2009) pintados em troncos escuros mas o que procuramos são os "zeros" (de 2010) que assinalam a passagem recente dos tiradores e nos assinalariam o descortiçamento recente. Encontrá-los-emos já perto da Baracha, numa zona onde a presença de manadas de cavalos lusitanos nos assinala a proximidade da coudelaria.

Aqui o montado pouco tem de comum com a imagem clássica das árvores espalhadas numa paisagem ondulada. O bosque é relativamente denso e, sobretudo, nada parece perturbar uma planura que por aqui ainda prolonga a lezíria. O toque de magia é-nos dados pelos matizes dos troncos, que variam conforme a antiguidade do descortiçamento e que, quando este ocorreu há poucas semanas ou meses, tomam cores entre o vermelho e o alaranjado que são pinceladas vibrantes num ambiente dominado pelos tons do verde-acinzentado das folhas ou amarelo-esmaecido de uma vegetação que, no final do Verão, está irremediavelmente seca. 

Vale a pena percorrer devagar os caminhos que se afastam da fita de alcatrão que leva até à Coudelaria do Braço de Prata e uma boa forma de o fazer é... a cavalo. Isto é, tirando partido de uma das ofertas daquilo a que a Companhia das Lezírias chama "turismo equino". Com uma vantagem: no picadeiro encontraremos os elegantes cavalos lusitanos, expoentes modernos de uma raça que já Plínio, o Velho, celebrou como vivendo nas imensas estepes do vale do Tejo. Isto porque os cavalos lusitanos descendem da raça que tomou o nome do rio que por aqui se espraia, o Sorraia. Ou seja, estes são os descendentes daquela estirpe de equídeos cujas éguas tinham crias tão ágeis que os árabes acreditavam ser fecundadas pelo vento. Voltaremos a encontrá-los nesta nossa viagem ao montado.Em redor do Cabeção

Viemos para ver sobreiros e azinheiras mas reunimo-nos à mesa do restaurante A Palmeira. O nome não nos atrai, o modesto exterior também não, quando entramos até podemos desconfiar. Mas quando nos sentamos à mesa e passamos os olhos pela lista, as dúvidas dissipam-se: estamos mesmo num local onde tudo roda em torno na gastronomia alentejana e, nesta, coloca em lugar de honra as muitas formas de cozinhar o porco. Incluindo o muito mais saboroso porco preto. Com um prato de migas de espargos pela frente, depois de uns saborosos torresmos, voltamos a hesitar: ou temos tino naquilo a que nos abalançamos, ou as generosas doses de A Palmeira inutilizarão a tarde. 

Passear em redor do Cabeção, pelos montes que se estendem entre Mora e as barragens de Montargil e do Maranhão, por terras que vão até Ponte de Sor, é passear por uma das regiões onde o montado é bem tratado e se desenvolve sobre tudo em extensos bosques. O sobreiro ainda domina, se bem que a azinheira já apareça com alguma frequência, o que é normal conforme caminhamos para o interior do país. Os solos já não têm a riqueza úbera dos terrenos da beira-Tejo, as colinas são mais marcadas e as rochas afloram à superfície com frequência. 

Por estes montes compreendemos melhor o que quis dizer Vieira Natividade, o grande estudioso do sobreiro português, quando disse que este é "sóbrio, rústico, complacente, bonacheirão, vegeta em toda parte e sujeita-se, com singular e impressionante humildade, às condições mais diversas, por vezes as mais pobres". Mas isso apenas na sua área geográfica de distribuição, quase limitada à Península Ibérica. Longe destes terrenos, mesmo em condições semelhantes de solo e de clima, o sobreiro dá-se quase sempre mal, talvez por falta daquilo que aqui o rodeia: as cegonhas que avistamos ao longe, as águias e os peneireiros que por vezes nos deixam aproximar, os porcos que aproveitam cada bolota que deixam cair, talvez até destas vacas "com certificação de origem" que levaram os proprietários a vedar os terrenos e tornar mais difícil o nosso acto de deambular.

Vale a pena ir treinando o olho para aprender a distinguir os sobreiros das azinheiras, o que até é bastante fácil graças à inconfundível presença da cortiça. As duas árvores são, em tudo o resto, muito parecidas, se bem que a azinheira não atinja, por regra, portes tão majestosos como alguns sobreiros centenários. A casca da azinheira é mais escura e, se compararmos as folhas, verificamos que as tem ligeiramente mais pequenas e ainda melhor protegidas contra a perda de água durante os longos estios alentejanos. É por isso que a azinheira substitui o sobreiro nas zonas mais ásperas e onde o Verão é mais inclemente, oferecendo ao agricultor, por troca com a inexistente cortiça, uma bolota que dizem mais doce e é mais apreciada pelos porcos pretos. 

Mas se fizemos do Cabeção o nosso ponto de partida, façamos também o nosso ponto de chegada e, antes de partirmos - é só uma sugestão... -, vamos até ao vizinho Fluviário de Mora, construído junto a um açude na Ribeira da Raia. É uma espécie de Oceanário em ponto pequeno e centrado na fauna dos rios, nele sendo possível observar as diferentes espécies que surgem em meio fluvial desde a nascente até à foz. Deambular por entre esturjões, trutas, sargos, raias e lontras é um bom programa - tão bom como, em alternativa, ir dar um passeio de caiaque na pequena albufeira da ribeira.

Azaruja: uma ermida, muitas fábricas

Entre Évora e Evoramonte, a velha estrada nacional corre, por vezes, quase a par com a nova auto-estrada. São duas fitas de alcatrão que serpenteiam por entre montes suaves onde a forte presença de sobreiros e azinheiros, as mais das vezes isolados, quebra a monotonia das searas que se estendem até perder de vista. 

Esta é paisagem alentejana de bilhete-postal: aqui uma extensa plantação de cereal que ainda espera ser colhido, além um retalho de terra revolvida pelas máquinas, mais adiante um terreno de pousio onde avistamos ovelhas, tudo em tons de amarelo e castanho neste fim de Verão que só autoriza o verde nas árvores isoladas, de largas copas e generosas sombras, essas árvores que tantas vezes parecem preferir a dobra dos montes para nos mostrarem apenas o seu perfil, recortado contra o céu. 

É isto o "montado alentejano"? Para sermos rigorosos, não. As zonas de produção de cortiça, onde domina o sobreiro, ou de pastoreio das varas de porcos, onde domina a azinheira, tendem a ser mais densamente povoadas. Nelas a produção cerealífera é secundária, ao contrário do que sucede nos montes que avistamos da estrada que nos leva até Azaruja. 

Em tempos ainda não muito remotos, a Azaruja funcionava como um dos principais entrepostos de recolha e primeiro tratamento da cortiça - mas basta lá chegar para perceber que os tempos gloriosos pertencem ao passado. Ao longo da estrada que conduz ao centro da povoação alinham-se as fábricas e, nos seus pátios, acumula-se a cortiça colhida no último ano. Mas não em todas. Nalgumas - poucas - unidades, a boa arrumação da cortiça e o aprumo da pintura indicam uma actividade ainda rentável; noutras a pintura já escama nas paredes e nos muros e noutras ainda percebe-se o abandono total. Das mais de 15 unidades industriais que aqui existiram, só metade ainda funciona regularmente. O resto foi fechando, sintoma de uma decadência que alguns produtores têm associado a uma baixa dramática no preço pela cortiça.

Mas não foi para deambular entre fábricas semi-abandonadas que viemos até à Azaruja. Foi para irmos até à Ermida de Nossa Senhora do Carmo, hoje centro de um pequeno e simpático hotel rural que aproveitou as construções erguidas para acolher os peregrinos de outros tempos. 

O pequeno templo barroco foi construído em redor de uma pedra pintada com a imagem da Senhora do Carmo e, por fora, é elegante sem ser especialmente notável. O segredo está lá dentro, pois guarda a maior colecção de ex-votos da Península, mais de dois mil, a maioria dos séculos XVIII e XIX, pintados sobre tela, cabedal, vidro e folha da Flandres, e que a par de outros objectos de devoção testemunham a crença antiga de que aquela especial Senhora do Carmo tinha poderosos poderes de protecção dos seus fiéis. Crença antiga e moderna: todos os anos, pelo 10 de Junho, os antigos combatentes da Azaruja juntam-se aqui para uma missa, pois a Guerra Colonial não cobrou nenhuma vida na povoação.

Os ex-votos cobrem por completo as paredes do pequeno tempo e, quando nos abrem as portas dos seus bastidores, descobrimos que o hábito das promessas se mantém, agora corporizado por fitas coloridas e, sobretudo, por velas antropomórficas. Tal como encontramos tranças de cabelo humano cortado na esperança de um milagre da "senhora", um tipo de doação cuja exposição é sempre tocante e perturbadora.

Visitada a ermida, acomodados num dos confortáveis quartos, talvez apeteça então seguir até à piscina biológica para nos espreguiçarmos numa cadeira enquanto esperamos pela última luz do dia. Com chaparros ao fundo.

Lá ao longe, a Sé de Évora

Há muitos anos, talvez uns trinta, um amigo de Évora ensinou-nos a nunca deixar de apreciar as "árvores irmãs" que se avistavam à direita da velha estrada que une Vendas Novas a Montemor-o-Novo. Desabituados há muito de a percorrer (a auto-estrada substitui-a...), andámos por lá à procura daquelas duas azinheiras que tinham crescido a par, os troncos separados por poucos metros, as copas confundidas numa só. Não demos com eles. Terão morrido? Ou terá sido a memória a atraiçoar-nos sobre a localização dessas "árvores-irmãs"?

Pouco importa. As terras que se espraiam a sul da velha estrada e da que, depois, liga Montemor a Évora, abrigam alguns dos mais bonitos montados do país, com árvores notáveis e alguns bosques cerrados onde a vitalidade dos sobreiros é tal que a luz tem dificuldade em penetrar. Mais: estamos numa região onde são abundantes os vestígios megalíticos, o que proporciona um excelente pretexto adicional para nos perdermos nos caminhos que ligam Montemor a Santiago do Escoural, a Herdade da Mitra a Nossa Senhora de Guadalupe ou Valverde a Casas Novas.

No centro deste perímetro, acessível por um estradão de terra batida em bom estado, encontramos o Cromeleque dos Almendres, por muitos considerado o mais importante monumento megalítico de toda a Península Ibérica. E não seremos nós a desmenti-los, pois não falta grandeza a este conjunto de quase uma centena de monólitos de granito dispostos num perímetro elíptico de 70 por 40 metros. As enormes pedras de forma almendrada, algumas com mais de dois metros e meio de altura, arrumam-se numa encosta orientada a nascente e parecem querer conduzir o nosso olhar para Évora e para o volume grandioso da sua Sé, claramente recortado no horizonte. 

Este cromeleque cria uma clareira num montado rico e denso. Se estivermos atentos notaremos mesmo que, enquadrando a última recta antes do monumento, os sobreiros nos surgem especialmente viçosos e arrumados de forma que adivinharíamos regular - que é regular: se consultarmos o Google Earth confirmaremos que existe, junto ao Cromeleque dos Almendres, um montado em que as árvores se arrumam em esquadria, sinal de uma plantação cuidada e planeada. Este tipo de montados é raro - infelizmente - mas ao observá-lo descobre-se nele um encanto que só lentamente e observando com muita atenção percebemos derivar do espaçamento regular das árvores. 

Para abrir o apetite para um repasto - é o termo - no Manuel Azinheirinha, em Santiago do Escoural, para nos prepararmos para petiscos como um paio de migos excelente, ou umas empadinhas miniatura de galinha, ou para saladas de grão-de-bico com bacalhau, de favas com enchidos, de pimentos verdes grelhados, de coelho assado na brasa com um molho de vinagrete, fígado grelhado igualmente com molho de azeite e vinagre, ou ainda para uma omolete de espargos verdes ou para uns ovinhos de codorniz estrelados com chouriço alentejano de carne, bem podemos concluir o circuito do Neolítico. Um pouco a Sul encontramos Anta Grande do Zambujeiro, perto de Valverde e da Herdade da Mitra, também ela a maior da Península mas, infelizmente, desgraciosamente protegida com um telheiro de lusalite. Para Ocidente encontraremos as grutas do Escoural, onde foram identificadas pinturas rupestres que retratam os bovinos e equídeos que por aqui viveriam há alguns milhares de anos. 

Ora é aqui que, de certa forma, fechamos o nosso circuito regressando ao princípio, isto é, regressando aos cavalos lusitanos que conhecemos na coudelaria de Braço de Prata, na lezíria ribatejana. É que, nas paredes da gruta do Escoural, existe uma gravura, velha de 17 mil anos, de uma égua protegendo um poldro em que esta tem a cabeça fina e comprida como sucede com os cavalos da raça lusitana, aqui retratados de forma bem diferente da dos garranos que surgem nas pinturas das grutas de Lascaux e Altamira. 

Siga-se então em paz para o Manuel Azinheirinha onde, para não nos esquecermos que andámos cirandando pelos montados, podemos pedir, a seguir aos petiscos, um javali (por certo crescido neste Alentejo de terras de farta bolota) estufado com cenouras e servido com puré de maçã...

Os montados do sul país formam, de acordo com os especialistas, a maior mancha de arvoredo nativo e um ecossistema que, mesmo não sendo natural, incorpora uma elevada capacidade de regeneração. Tendo, ao mesmo tempo, uma utilização florestal, agrícola e pastoril, são também zonas onde se abrigam inúmeras espécies, muitas delas em vias de extinção.

Nos montados de sobro o objectivo principal dos proprietários é a exploração de cortiça, um tipo de casca sem paralelo em nenhuma outra espécie. Em Portugal situa-se cerca de 30 por cento da área ocupada por sobreiros em todo o mundo, sendo que o nosso país produz sensivelmente metade da cortiça que chega ao mercado. O sobreiro (Quercus suber) pertence à família dos carvalhos mas distingue-se facilmente das outras espécies existentes em Portugal, pois as suas folhas são persistentes, não caindo no Inverno, antes sendo parcialmente substituídas na Primavera. A cortiça, que constitui uma protecção natural das árvores contra o fogo, uma ocorrência natural nos ecossistemas mediterrânicos, pode ser tirada de nove em nove anos, sendo a mais valorizada a que tem espessura suficiente para fabricar rolhas. 

O descortiçamento é uma operação delicada, realizada por trabalhadores especializados entre os meses de Maio e Agosto. Nesta operação é muito importante não ferir, com os machados, o lenho da árvore, pois isso pode facilitar a entrada de infecções e tira qualidade à futura produção de cortiça. O valor comercial da rolha de cortiça tem sofrido muitas oscilações e, recentemente, tem sido afectado pela concorrência de sucedâneos, estando a produção a diminuir, apesar de se terem encontrado formas de tratar a cortiça que evitam que esta dê mau gosto ao vinho.

A azinheira (Quercus rotundifolia) também é parente dos carvalhos e, tal como o sobreiro, produz folhas persistentes, mas mais espessas e coriáceas, já que esta espécie está mais bem adaptada a climas com verões ainda mais quentes e secos. No terreno, a forma mais fácil de sabermos se estamos perante uma azinheira ou um sobreiro é verificarmos a presença ou ausência de cortiça. 

De uma forma geral, os montados de azinho têm menos rentabilidade que os de sobro apesar de, nos últimos anos, terem voltado a multiplicar-se as explorações de porco preto, uma espécie que, para se alimentar, prefere a bolota da azinheira. Mesmo assim, nos últimos 40 anos, a área total ocupada por azinheiras recuou 25 por cento. E só o abate de árvores para limpar o solo na região alagada pela barragem do Alqueva fez desaparecer cerca de meio milhão de azinheiras.

De entre as muitas espécies animais que encontramos nos montados, o destaque deve ir para algumas que estão ameaçadas de extinção - como o milhafre-real, o abutre-preto, a águia-imperial e o lince - e para outras mais comuns mas sempre interessantes de observar - como o peneireiro-cinzento, a codorniz, a lebre, a raposa, a água-d"asa-redonda, o mocho-galego, a coruja-do-mato, o pombo-bravo, o javali, o corço e o veado. Entre muitas e muitas outras.Coudelaria da Companhia das Lezírias

Criada no século XIX, a coudelaria da Companhia das Lezírias situa-se na Herdade de Braço de Prata (Pancas, Samora Correia) e, para além de se ter especializado na criação do cavalo puro-sangue lusitano, tem uma oferta turística variada. Vale a pena visitar o picadeiro e as estrebarias, onde os cavalos estão identificados pelo nome. Há uma Quinta Pedagógica para os mais novos e programas de passeio a cavalo para todas as idades (Tel.: 263 654 989). O restaurante A Coudelaria, junto ao hipódromo (Tel.: 263 654 985) é um espaço agradável e muito procurado por causa de algumas das suas especialidades, como o cozido de carnes bravas à ribatejana, servido ao domingo em regime de buffet. Ao sábado há buffet campestre composto por polvo à lagareiro, bacalhau com broa, arroz de pato, lombos de porco preto e novilho. Os preços são razoáveis. Encerra à segunda-feira. Por fim, é também possível pernoitar na Herdade de Braço de Prata, pois a Companhia das Lezírias possui uma pequena unidade de agro-turismo junto ao restaurante e à coudelaria. Cada um dos 12 bungalows tem um quarto e sala com kitchenette (tel.: 263 650 600).

Onde comer

A Palmeira
Visto de fora, pouco se dará por ele, mas se entrarmos encontraremos grande e qualificada oferta dos mais variados pratos da gastronomia alentejana (incluindo caça e uma longa lista de doces). As doses são tão bem servidas que podem facilmente ser partilhadas por duas pessoas (os empregados são, neste domínio, bons conselheiros). As entradas são generosas e muito recomendáveis. Os preços são muito razoáveis, sendo possível almoçar muito bem por menos de 20 euros.
Rua 25 de Abril 46, Cabeção | Tel.: 266447182 | Encerra às terças-feiras

Manuel Azinheirinha
Há boas escolas, e certamente o Fialho, de Évora, é uma delas. Pelo menos a acreditar neste restaurante, localizado a uns 20 quilómetros de Évora e um pouco menos de Montemor-o- Novo, e que é gerido por um antigo colaborador dos irmãos Fialho. Aqui o ambiente é mais despojado, mas a lista também é farta em especialidades alentejanas elaboradas com mão segura pela mulher do dono da casa, que toma conta dos fogões. A oferta de entradas é quase pantagruélica, pelo que muitos serão os que não ultrapassarão estes intróitos. Aberto de quarta a domingo (encerra segunda-feira ao jantar), para visitar este pequeno restaurante (30 lugares) é aconselhável fazer reserva.  
Como notou o David Lopes Ramos, "sempre que apetecer petisqueira alentejana, o restaurantesinho de Santiago do Escoural é uma boa escolha". Sem dúvida nem risco de desilusão.
Rua Dr. Magalhães Lima | Tel.:266857504 ~

Que fazer

Fluviário de Mora
Tomando a estrada que segue de Mora para o Cabeção, um desvio à direita bem sinalizado levanos até ao Fluviário de Mora, um equipamento inaugurado em 2007 e que é único em Portugal, até porque se trata do primeiro grande aquário de água doce da Europa. Situado perto da ribeira da Raia, tem como exposição principal um conjunto de tanques onde se reproduzem os habitats típicos de um rio ibérico, da nascente à foz. Está aberto todos os dias, das 10h00 às 19h00 no Verão e das 10h00 às 17h00 no Inverno. O preço da entrada é de 7,3 euros para os adultos e 5 euros para as crianças (Tel.: 266 448 130).
www.fluviariomora.pt 

Onde dormir

Monte do Carmo Hotel Rural
Este pequeno hotel de 20 quartos está instalado nas casas que, em tempos idos, acolhiam os peregrinos que vinham celebrar a Nossa Senhora do Monte do Carmo. São quatro construções térreas, dispostas nos quatro cantos do pátio da ermida, e que foram adaptadas a hotel. Os quartos (9) são confortáveis e espaçosos e existem várias suites. Foi preservada a construção original, baseada em grossas paredes e em tectos de abobadilha, sendo que alguns quartos tiram especial partido desta arquitectura ao disporem a cama num plano elevado, junto a estes tectos de tijoleira. No restaurante só se servem jantares, mas no bar é possível tomar uma refeição ligeira. Situado a cerca de dois quilómetros da Azaruja (e a 18 quilómetros de Évora), num local isolado no meio de montados a perder de vista, este hotel oferece ainda uma piscina biológica. Os preços são muito competitivos, até atractivos (Tel.: 266 970 050).
http://www.hotelruralmontedocarmo.com/

[FUGAS nº 543 - 9 Outubro 2010]