Reuters/Finbarr O'Reilly
Reuters/Finbarr O'Reilly

Peso&Medida

Apreciar o corpo ajuda a perder peso

Apreciar o corpo…Mas de que corpo se está a falar? Já reparou que é a única pessoa que não consegue ver o seu próprio corpo na totalidade? O que tem é uma percepção subjectivamente construída do seu corpo. Mas esta imagem representa muito mais que isso. Engloba também a atitude e a relação que estabelece com ele e que, fruto dos ideais de beleza preconizados na sociedade actual, é muitas vezes negativa.

Não surpreende que criticar o corpo seja um lugar-comum nos dias que correm. Ao invés de nosso aliado, encaramo-lo como inimigo, com prejuízo claro para a saúde e bem-estar psicológicos e, acima de tudo, para a nossa vida (ou para o seu adiamento… até ao dia em que o tão desejado número na balança seja alcançado). Esta insatisfação normativa leva-nos a uma busca incessante por uma solução “milagrosa” que nos permitirá adquirir o corpo de sonho e que, por fim, resolverá todos os nossos problemas, abrindo-nos a porta para a felicidade. A perda de peso está impregnada do mito da transformação… Mas infelizmente (ou felizmente) esta ideia é falsa. Seria, sem dúvida, muito triste se a vida só começasse depois de atingir certo número na balança!

A verdade é que se tem olhado para esta questão pelo ângulo errado. Ocupamos o tempo a contemplar formas de mudar a nossa aparência, quando a verdadeira raíz do problema passa por uma mudança mais interna, nomeadamente, por deixar de desvalorizar o corpo que se tem, realçando os seus aspectos negativos, para começar a aceitar, amar e cuidar dele tal como ele é. Já reparou em tudo o que o corpo nos permite fazer? Respirar, movimentar, interagir com a natureza, partilhar experiências com os outros, sentir… viver! Mas, principalmente, o corpo permite-nos ser belos porque distintos de todos os outros. O valor do nosso corpo (bem como da pessoa que somos) é indubitável e vai muito além de uma visão redutora que confunde a aparência física com o “eu”. O desafio está, pois, em abandonar esta visão e em mudar de olhar.

Curiosamente, desenvolver uma relação positiva com o corpo, apreciando o que ele nos dá e permite fazer, parece inclusivamente ajudar a perder peso. Estudos da Faculdade de Motricidade Humana mostraram que as mulheres que gostam do seu corpo e apresentam uma preocupação mais saudável com a gestão da sua aparência, fazem opções alimentares mais saudáveis e equilibradas (ex. restrição mais flexível) e apresentam maior bem-estar psicológico, o que poderá facilitar a regulação do peso ao tornar disponíveis recursos psicológicos (muitas vezes indispensáveis). E mais: outro estudo sugere que, para construir uma relação mais positiva com o corpo, o exercício físico regular, mais ou menos estruturado, poderá ser uma ferramenta muito útil.

Mais importante que emagrecer e alcançar aquele peso que idealizou é adoptar um estilo de vida saudável e apreciar o que o seu corpo lhe dá e permite fazer. A vida não começa a partir de um certo número na balança. O facto de nos aceitarmos como somos, de gostarmos de nós, ajuda-nos a cuidar melhor de nós próprios e da “casa” que nos abriga: o nosso corpo. E desta aceitação nascem, naturalmente, comportamentos mais saudáveis que ainda lhe trarão mais brilho e vitalidade.

Eliana Carraça
*Fisiologista do exercício e investigadora,
Faculdade de Motricidade Humana
ecarraca@fmh.utl.pt