©John Romão

teatro

Eu não sou bonita. Eu sou o porco.

Através duma linguagem crua e pornográfica, evoca-se o universo negro dos contos infantis e o cinema gore para falar sobre o abuso sexual na infância, reflectindo os textos de Angélica Liddell e de Paulo Castro.