Não é recomendada a ingestão em excesso de carnes vermelhas, sobretudo as processadas.
Não é recomendada a ingestão em excesso de carnes vermelhas, sobretudo as processadas. Sérgio Azenha

Cancro

Comer para prevenir a formação de tumores malignos

A mortalidade por cancro representa a segunda mais importante causa de morte prematura do adulto em Portugal. A doença é o produto da interacção entre susceptibilidade genética e exposição a factores ambientais, como radiações, tabaco, factores alimentares, toxinas, contaminantes e agentes infecciosos, mas 30 a 40% dos cancros poderiam ser prevenidos através da alimentação e actividade física, e manutenção de um peso corporal adequado. De acordo com várias escolas de pensamento, incluindo as apresentadas nos relatórios do American Institute of Cancer Research e do World Cancer Research Fund, podem valorizar-se as seguintes recomendações:

- Evitar pesos demasiado baixos ou altos, relativamente ao desejável, procurando que o peso corporal durante o período de crescimento e transição para a vida adulta leve a um índice de massa corporal, depois dos 21 anos de idade, próximo dos limites inferiores de normalidade; e evitar aumentos no peso e perímetro da cintura na vida adulta;

- Consumir pelos menos 400g por dia de uma variedade de hortofrutícolas, durante todo o ano, cereais pouco processados (limitando os refinados), e leguminosas. Alguns alimentos, como alhos, cebolas, repolho, brócolos, couve-flor, couve, couve-de-bruxelas, cenouras, e tomates surgem também como alimentos importantes para a potência de protecção. É possível que os benefícios conferidos por estes alimentos se devam à acção de múltiplos constituintes e não apenas a um nutrimento ou fitoquímico. Entre os principais constituintes destes alimentos com possível acção protectora, incluem-se componentes organosulfurados, fitosteróis, carotenóides, compostos fenólicos, diversos micronutrimentos, e fibras;

- Indivíduos que ingerem regularmente carnes vermelhas (vaca, porco, borrego e cabra, por exemplo), são aconselhados a consumir menos de 500g por semana (500g de carne cozida equivalem aproximadamente a 700-750g de carne crua), e pouca (ou nenhuma) quantidade de carnes processadas (carnes preservadas por fumagem, cura ou salga, ou pela adição de produtos químicos de preservação);

- Se forem consumidas bebidas alcoólicas, o consumo deve ser limitado a duas bebidas alcoólicas (uma bebida com 10 a 15 g de etanol) por dia, para o homem, e uma para a mulher;

- Não ingerir alimentos que possam ser susceptíveis de estarem mofados;

- E, finalmente, evitar o consumo de alimentos salgados e a utilização de sal à mesa (a utilização de ervas e especiarias para temperar os alimentos poderá ajudar na substituição do sal), estabelecendo-se o limite de ingestão de 6g de sal por dia (ainda que para a prevenção cardiovascular, o limite possa ser inferior a este valor).

pedromoreira@fcna.up.pt
*Nutricionista e Professor Catedrático da Faculdade de Ciências da Nutrição da Universidade do Porto