O príncipe Carlos, os filhos William e Harry, o duque de Edimburgo e Spencer caminharam atrás do caixão, no cortejo fúnebre de Diana.
O príncipe Carlos, os filhos William e Harry, o duque de Edimburgo e Spencer caminharam atrás do caixão, no cortejo fúnebre de Diana. REUTERS

Princesa Diana

Já por quatro vezes tentaram assaltar o túmulo de Diana, diz o irmão da princesa

Em entrevista à BBC Radio, Charles Spencer revela que oficiais do Palácio de Buckingham mentiram, assegurando que os príncipes queriam caminhar atrás do caixão.

À medida que se aproxima a data do 20.º aniversário da morte de Diana – a 31 de Agosto –, fala-se cada vez mais sobre a vida e morte da princesa do povo. No fim-de-semana, os filhos partilharam fotografias da vida em família, a tempo da estreia do documentário Diana, Our Mother: Her Life and Legacy. De acordo com irmão, Charles Spencer, o túmulo da princesa já sofreu nos últimos 20 anos quatro tentativas de assalto – todas elas sem sucesso.

O corpo de Diana está numa propriedade da família Spencer, em Althorp. A escolha de a sepultar naquele lugar, em vez de no jazigo de família, foi uma questão de segurança – era o local mais "seguro", avança Spencer, citado pelo Telegraph.

Na mesma entrevista, ao programa Today, da BBC Radio 4, Spencer revela ainda que, ao contrário daquilo que os oficiais do Palácio de Buckingham lhe disseram, os príncipes William e Harry – na altura, com 12 e 15 anos – não queriam caminhar atrás do caixão da mãe, como ditavam os planos reais. E contrariamente à vontade das crianças, acabaram por fazê-lo.

Foi a coisa mais "bizarra e cruel", continua o irmão da princesa, categorizando o cortejo fúnebre – no qual caminhou ao lado dos príncipes e do marido de Diana – como a coisa "mais horripilante e bizarra" da sua vida. "Mentiram-me e disseram-me que eles [os príncipes] queriam fazê-lo – o que obviamente não queriam."

Aliás, o próprio Harry já veio a público, recentemente numa entrevista à Newsweek, dizer que a memória de ter de caminhar atrás do caixão da mãe, com milhares de pessoas a assistir ainda o consome. "Acho que não devia ser pedido a nenhuma criança para fazer isso, em nenhuma circunstância", afirmou.

Harry e a morte de Diana: 20 anos a reprimir emoções, dois de "caos total"

Príncipe William fala sobre a morte da mãe