• Diana Silva, Ana Borges e Cláudia Neto receberam Barbies criadas à sua imagem
    Diana Silva, Ana Borges e Cláudia Neto receberam Barbies criadas à sua imagem DR
  • A Bsrbie de Ana Borges tem a fita do cabelo que a jogadora costuma usar
    A Bsrbie de Ana Borges tem a fita do cabelo que a jogadora costuma usar DR
  • Diana Silva depois de receber a Barbie
    Diana Silva depois de receber a Barbie DR
  • A Barbie de Cláudia Neto veste o número sete e a braçadeira da capitã
    A Barbie de Cláudia Neto veste o número sete e a braçadeira da capitã DR
  • As três jogadoras, alguns momentos depois de terem recebido as bonecas
    As três jogadoras, alguns momentos depois de terem recebido as bonecas DR

Futebol Feminino

Estas Barbies vão jogar por Portugal no Europeu

A selecção nacional estreia-se no Europeu e a Barbie quis prestar homenagem à equipa.

Já começa a contagem decrescente. A selecção nacional de futebol feminino – que fez história em Outubro do ano passado ao ser apurada, pela primeira vez, para o Europeu de futebol feminino – parte para a Holanda no sábado, dia 15. Entre os treinos na Cidade do Futebol, três das jogadoras aproveitaram uma folga na manhã de quinta-feira para conhecer um trio de bonecas muito especiais.

O riso e entusiasmo sobrepuseram-se à energia serena de Cláudia Neto, Ana Borges e Diana Silva, quando abriram as caixas e lhes foram desvendadas as bonecas que a Barbie criou, em homenagem à selecção. “E vem com a tua fitinha… e também o sinal!”, comentavam as duas colegas de equipa, referindo-se à Barbie de Ana Borges. Já a Barbie de Diana Silva tinha um penteado ligeiramente diferente daquele que agora usa – uma vez que as bonecas foram criadas à base de fotografias. Na de Cláudia Neto, não faltava a camisola com o número sete, nem a braçadeira de capitã.

A jogadora  confessa que o brinquedo preferido de infância era mesmo a bola de futebol. Ainda assim, não hesitou em participar na iniciativa da marca que desde 1959 põe bonecas nas mãos das crianças, defendendo que ”tudo o que seja para divulgar o futebol feminino é importante”. As raparigas que entram em contacto através das redes sociais, conta, querem sobretudo saber como é o dia-a-dia das atletas e pedem para ir ao estágio ou fazer uma visita ao hotel – querem seguir-lhes os passos. “Tentamos também ser um exemplo para elas. Passar a mensagem que é possível jogar futebol. Que o futebol não é só para rapazes”, desabafa.

A capitã da selecção joga há três anos no Linköpings FC, da Suécia, onde, garante “[o futebol feminino] é muito mais evoluído – as pessoas apoiam-no assim como apoiam o masculino”.  No rescaldo do apuramento da selecção, Diana afirma que Portugal tem evoluído muito – sobretudo devido à entrada dos grandes clubes na modalidade – e refere que as condições de treino que foram dadas à equipa da selecção nacional são as mesmas que a equipa masculina recebe. “Cá em Portugal, acho que cada vez mais as pessoas vão ao estádios ver o futebol feminino e cada vez mais se interessam. O estádio [do Sporting] está sempre cheio”, refere.

“Há algum tempo ninguém acreditava que isto seria possível”, lança ainda acerca do apuramento da equipa. “Conseguimos concretizar esse sonho, não só nosso, mas também de outras gerações. A partir de agora as coisas vão começar a evoluir cada vez mais e vamos começar a aproximar-nos das grandes selecções”.

Para Ana Borges – jogadora do Sporting –, as Barbies que a marca lhes ofereceu são, ao mesmo tempo, um reconhecimento do trabalho que fizeram e uma forma de passar uma mensagem às próximas gerações: “Acredito que há muitas miúdas que querem jogar futebol, mas não têm ainda iniciativa – ver uma Barbie jogadora dá-lhes outro à-vontade”.

Foi das mãos de Raul Silva Lopes – o auto-intitulado The Doll Stylist – que nasceram as três Barbies da selecção. Criou-as com base em fotografias da futebolistas, combinando as várias silhuetas disponíveis, de modo a que se afigurassem o mais possível às suas modelos. Não serão comercializadas – só foram reproduzidas mesmo as três bonecas entregues às atletas.

Não é a primeira iniciativa deste tipo que a Barbie lança em Portugal ou no estrangeiro. Já em Setembro do ano passado distinguiram 12 mulheres portuguesas – de áreas tão distintas quanto a televisão, arte, desporto e empreendedorismo – com estas one of a kind dolls. As campanhas inserem-se na mensagem “tu podes ser o que quiseres” que a empresa tem vindo a promover. “Queremos dar este empowerment às meninas e mostrar que elas podem sonhar, podem ser o que quiserem e desafiar”, explica Sara Marçal, directora de marketing.