LUSA/SEAN GALLUP / POOL

Diplomacia

Trump defende Ivanka atacando Chelsea Clinton

Filha do Presidente norte-americano sentou-se no lugar do pai durante a cimeira do G20.

Já sabemos que Ivanka Trump, na ausência do pai nas reuniões durante a cimeira do G20, em Hamburgo, neste fim-de-semana, sentou-se no lugar do Presidente dos EUA. Já sabemos que foi bastante criticada no seu país por tê-lo feito. Como é hábito, Donald Trump veio em seu socorro para defendê-la e, pelo caminho, aproveitou para atacar Chelsea Clinton, a filha da sua opositora na corrida à Casa Branca.

Primeiro o Presidente começou por contextualizar que quando teve de sair pediu à filha, que é sua assessora na Casa Branca, para assumir o seu lugar e que até a "Angela M" concordou. Calcula-se que seja assim que Trump trate a chanceler alemã Angela Merkel, a anfitriã do encontro.

Mas 16 minutos depois, Trump atira-se contra os democratas, dizendo que se fosse pedido a Chelsea Clinton para assumir o lugar da mãe, enquanto esta se preparasse para desistir do país, aí já a imprensa que o Presidente gosta de apelidar de "falsa", gritaria: "Chelsea a presidente".

A antiga primeira-filha decidiu não ignorar o tweet do Presidente e educadamente deu os bons-dias a Donald Trump para dizer-lhe que aos pais jamais lhes passaria pela cabeça fazer o que o governante fez, sem deixar de perguntar-lhe se naquele momento estava a desistir do seu país. "Espero que não."