Reuters/YURI GRIPAS

Polémica

Trump goza com jornalista e Melania diz que quem se mete com o marido leva

Republicanos indignados criticam comportamento do Presidente.

Na terça-feira olhava com gosto para uma jornalista irlandesa loura, na quinta-feira insulta e goza com jornalista norte-americana, igualmente loura. Donald Trump voltou a usar a sua conta de Twitter para dizer o que lhe vai na alma, os norte-americanos, mesmo os republicanos, estão indignados, mas o Presidente tem ao seu lado a sua mulher, Melania, que o defende com unhas e dentes.

No programa da manhã do canal MSNBC, Morning Joe, os apresentadores são Joe Scarborough e Mika Brzezinski que criticaram Trump e este não gostou. Assim, o Presidente usou a sua conta de Twitter para fazer um primeiro post a dizer que ouviu falar mal dele, que não pretende voltar a ver o programa e como os apresentadores têm um QI baixo. De seguida questiona-se como é que Mika e Joe – chamando-lhes "doida" e "psicopata", respectivamente – desceram tão baixo.

Seis minutos depois, Trump volta a publicar para dizer que Mika foi a Mar-a-Lago, o resort de golfe e a casa de praia na Florida, na véspera do Ano Novo, por três vezes, que insistiu em estar com ele, mas que a jornalista estava a sangrar do rosto por causa de uma plástica. "Disse-lhe que não!", escreve o governante.

Ao longo do dia, os meios de comunicação dos EUA mostraram a sua indignação. "É um dia triste para a América quando o Presidente passa o seu tempo a fazer bullying, a mentir e a vomitar pequenos ataques pessoais em vez de fazer seu trabalho", declarou a porta-voz da NBC News, Lorie Acio, em comunicado, citada pela Associated Press.

Também Brzezinski respondeu no Twitter publicando uma fotografia de uma caixa Cheerios que inclui a frase "feita para pequenas mãos". E mais nada. A jornalista faz assim referência às mãos de Trump que são desproporcionalmente pequenas para o seu tamanho.

Também o correspondente do New York Times, Brian Stelter, veio em socorro da profissional, publicando uma fotografia da mesma, em Mar-a-Lago, na altura em que o Presidente alega que a viu toda ensanguentada.

Mas os meios de comunicação não foram os únicos a reagir aos tweets de Trump, também senadores do seu partido e da oposição mostraram-se indignados.

O senador republicano da Carolina do Sul, Lindsey Graham, declarou que os tweets presidenciais revelam que "há algo de errado com a política norte-americana e que não reflectem a grandeza" do país. Lynn Jenkins, a representante republicana do Kansas, também escreveu no Twitter para testemunhar que como mulher na política é criticada pela sua aparência e que é preciso trabalhar para capacitar mais as mulheres. A representante do Maine, Susan Collins, disse que o comportamento de Trump "tem de parar". Assim como Ben Sasse, senador republicano de Nebrasca, repetiu: "Isto tem de parar." Também o líder da Câmara dos Representantes, Paul Ryan, comentou os tweets do Presidente: "Obviamente, não vejo isso como um comentário apropriado."

O Comité Nacional Democrata descreveu o tweet como "um ataque às mulheres em todos os lugares".

Apesar de tantas vozes contra dentro do seu próprio partido, Donald Trump não está sozinho porque ao seu lado tem a sua equipa que de imediato veio a público apoiá-lo e a sua mulher que quando chegou à Casa Branca tomou como uma das suas causas o cyberbullying, mas que aparentemente considera normal que o marido o faça nas redes sociais.

Curiosamente Melania reagiu, horas depois, através da sua porta-voz, que disse: "Como a primeira-dama declarou publicamente no passado, quando seu marido é atacado, ele ataca com dez vezes mais força."

O jornalista Yashar Ali, que colabora com várias revistas norte-americanas, como a New York Magazine ou a GQ, lembrou as palavras de Melania em Novembro, então a ex-modelo eslovena apelava ao diálogo entre as pessoas.

Mas, afinal o que levou Trump a reagir contra os apresentadores da MSNBC? No programa de quarta-feira, Brzezinski e Scarborough criticaram o programa de saúde que ainda não foi aprovada, assim como o facto de Trump ter pendurada, em vários dos seus resorts de golfe, uma falsa capa da Time

Recorde-se que Scarborough, 54 anos, é um ex-congressista republicano que representou a Flórida na década de 1990, e apoiou Trump durante a campanha à presidência; e que Brzezinski, 50 anos, é filha de um conselheiro dos presidentes Lyndon B. Johnson e Jimmy Carter. A dupla de apresentadores são um casal e anunciaram o seu noivado há um mês.