Nelson Garrido

Tecnologia

Redes sociais podem ser tão perigosas como o álcool ou as drogas

Especialista alerta para os malefícios de passar muito tempo nas redes sociais.

O vício das redes sociais existe e pode ser tão perigoso como o álcool, o tabaco ou as drogas, diz Tony Rao, um investigador de Psicologia do King's College London, no Reino Unido, num artigo publicado na Quartz

Os millennials, nascidos entre 1984 e 2005, abraçaram a era digital, usando a tecnologia para relaxar e interagir com outras pessoas. "As redes sociais são extremamente importantes para eles, são uma tábua de salvação do mundo exterior". No entanto, estas podem ser viciantes e trazer outros danos que não o cancro do fígado, ligado ao álcool, ou o do pulmão, relacionado com o tabaco, continua o professor universitário que acrescenta que existe uma dependência.

"A sua dependência leva-os a passar imenso tempo online para que sintam o mesmo nível de prazer e leva a que as redes socias se tornem na principal actividade da qual tomam parte", escreve.

Tony Rao alerta ainda para o impacto do uso das novas tecnologias no padrão de sono e de as pessoas fazerem cada vez menos coisas offline, tal como ter tempo para as responsabilidades do trabalho ou até mesmo interacções cara-a-cara. 

"A maioria de nós depende parcialmente da capacidade de reflectir sobre os nossos próprios pensamentos, sentimentos e comportamentos para formar uma autoimagem. O problema das redes sociais é que faz com que a nossa autoimagem dependa dos outros e das suas opiniões", alerta ainda o especialista.