Reuters/POOL

Emmanuel Macron vence Trump na sua própria batalha: os TrumpShakes

Já não é novidade que o Presidente norte-americano triunfa na batalha dos fortes e dominantes apertos de mão. Contudo, desta vez, foi o francês que dominou.

Já nos habituamos aos dominadores apertos de mão pelos quais o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, é conhecido, em que empurra, contorce e puxa a mão de outros líderes mundiais. São os TrumpShakes. Mas desta vez Emmanuel Macron dominou.

O novo Presidente francês parece ter estudado os famosos TrumpShakes, para estar preparado para o encontro desta quarta-feira com Donald Trump, em Bruxelas.

O jornalista do Washington Post, Philip Rucker, descreveu o aperto de mão escrevendo no Twitter: “Cada um apertou a mão do outro com intensidade, as suas articulações ficaram brancas, os maxilares estavam cerrados e as suas feições estavam contraídas.”

Rapidamente as redes sociais foram invadidas por imagens do encontro, em que os internautas brincaram com o momento. Numa das partilhas lê-se: “Depois de Melania rejeitar a sua mão, ele [Trump] anseia por contacto humano, um formigueiro de emoções cai sobre ele…”.

Outros internautas afirmam que o Presidente francês “esmagou a mão de Trump”, “abalando-o”, mostrando a cara de triunfo de Emmanuel Macron. Um deles felicita o chefe de Estado francês por ter vencido Trump na sua batalha de "dominar como um cão."

Uma das internautas vai mais longe, afirmando que o Presidente norte-americano não pode parecer fraco na presença de um homem mais novo, mais bonito e mais inteligente. 

Esta não é a primeira vez que os TrumpShakes dão que falar. Recorde-se que durante o encontro entre Angela Merkel e Donald Trump na Sala Oval, o Presidente norte-americano recusou apertar a mão à chanceler alemã, apesar dos repetidos pedidos por parte dos jornalistas. 

Também o aperto de mão entre o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe e Trump foi criticado nas redes sociais. Durante este encontro, Trump quis dominar o momento, contudo, Shinzo Abe mostrou o seu desconforto fazendo uma cara de alívio depois de Trump lhe largar a mão.

Texto editado por Bárbara Wong