Instagram, @vogueportugal

Imprensa

Vogue Portugal vai sair da Cofina e terá nova direcção

A Cofina optou por não renovar a licença junto da Condé Nast. A publicação passará para a Lighthouse – detentora da GQ –, com uma nova direcção.

A Cofina vai deixar de publicar a Vogue Portugal, revelou a empresa em comunicado na manhã desta quinta-feira. O último número será o de Setembro, mas a revista não vai acabar. Em Outubro, as leitoras poderão continuar a comprá-la porque continuará a ser publicada pela Lighthouse, actial detentora da GQ. No entanto, a revista terá uma nova direcção.

Em contraste com outros títulos internacionais da Vogue, como a francesa e britânica, a revista portuguesa pertence, não ao grupo Condé Nast, mas sim à Cofina – detentora de outros títulos como a Sábado, Correio da Manhã, Jornal de Negócios e, também no segmento da moda, a Máxima.

Agora que o licenciamento estava perto de atingir o seu prazo limite, o contrato entre a Cofina e Condé Nast acabou por não ser renovado. "Tem a ver com uma negociação com a Condé Nast, que não chegou a um consenso, não tem a ver com reestruturação nenhuma da empresa", garante Paula Mateus, actual editora da Vogue. Recorde-se que o grupo Cofina está no meio de um processo de reorganização interna, que já levou ao despedimento colectivo de 50 pessoas.

A revista passará então para as mãos da Lighthouse, que publica actualmente a versão portuguesa da GQ – um título que pertence também à Condé Nast e que foi publicado pela Cofina.

José Santana e Sofia Lucas – co-fundadores da Lighthouse – fizeram parte da Cofina e fundaram a nova empresa há cerca de dois anos. Quando a GQ saiu do mercado, "levou nove meses e criámos a Lighthouse para a trazer de volta, porque acreditávamos no projecto", conta José Santana ao Life&Style.

A Condé Nast abordou inicialmente a Lighthouse. Segundo os donos da empresa – que tem um contacto constante com a Condé Nast, por publicar a GQ –, a preocupação pela qualidade foi o factor decisivo. "Os números [de venda] estão fantásticos, no mercado português, e isso deve-se muito ao trabalho e à qualidade do que se tem feito", garante José Santana. 

Agora, a Vogue também vai mudar. "Vai haver uma mudança estrutural bastante profunda", avança Sofia Lucas. A revista – actualmente dirigida por Paula Mateus – vai ter uma nova direcção, assim como haverá mudanças na redacção. Já existe um nome, avança José Santana, não revelando ainda qual.

O contrato com a Condé Nast começa a 1 de Setembro e a primeira edição da Vogue Portugal sob a tutela da Lighthouse a ir para as bancas é a de Outubro. "Tudo o que é ligado ao título Vogue estará com a Lighthouse a partir de Setembro: redes sociais, website e revista", confirma Sofia Lucas. A Lighthouse deverá emitir um comunicado com mais informação sobre este processo na próxima segunda-feira.