© Nicky Loh / Reuters

Paul Walker

O pai de Paul Walker escreve num diário sobre o filho

À luz do novo filme "Velocidade Furiosa" – que não inclui Paul Walker –, o pai do actor fala sobre como tem lidado com a morte do filho.

Numa entrevista com a emoção à flor da pele, o pai de Paul Walker – que partilha o nome do filho – contou ao Daily Mail como está a lidar com a morte do actor e revelou que já foi ver o mais recente filme de Velocidade Furiosa.

Walker diz que tem estado fechado em casa, raramente saindo à rua. O apoio dos amigos tem ajudado, bem como o diário que mantém, onde escreve memórias do filho. "Lembro-me de coisas que o Paul dizia quando era um rapazote e escrevo-as. Não acredito o quão profundo ele era quando era tão novo."

"Acho que ele era muito capaz de olhar para dentro de si mesmo. Lembro-me que disse uma vez – algo que eu escrevi – 'eu amo muito profundamente'. E ele quis dizer isso. São memórias assim que me ajudam a superar o dia."

A morte do filho teve um impacto positivo, conta ainda: "Tenho-me tornado muito mais atencioso, assim como ele era. Sou mais atencioso com as pessoas e compreendi muitas das coisas que ele dizia."

O mais recente filme do franchise Velocidade Furiosa – que já vai no oitavo capítulo – chegou ao cinema em Abril deste ano e é o primeiro que não inclui Paul Walker no elenco, desde a sua morte em 2013, num desastre automóvel. "Não tinha a cerceza que o queria ver", conta o pai, "mas quando o fiz estava, felizmente, rodeado de amigos, alguns dos quais conheciam o Paul desde que era criança, e foi mesmo maravilhoso."

"Todos gostámos muito, foi um filme divertido. Acho que o Paul teria adorado. Consigo imaginá-lo a dizer 'pai, tens de ver isto, é uma loucura'", continuou, brincando ainda: "Espero que se tornem um monte de homens velhos e sem dentes antes de pararem de fazer [filmes Velocidade Furiosa]".

Durante a estreia de Velocidade Furiosa 8, Vin Diesel prestou homenagem ao falecido actor com quem contracenou desde o primeiro filme, em 2001 – à excepção de Velocidade Furiosa - Ligação Tóquio. O actor disse que não haveria um franchise "se não fosse pelas décadas de amor que o meu irmão Pablo [sic] me deu".

"Não houve um segundo, enquanto fizemos este filme, nem um minuto – podem perguntar ao Gary (o realizador) –, nem um dia que passou em que não estivéssemos a pensar no nosso irmão Pablo, como trazê-lo para o filme, como representá-lo e como fazer algo de que ele tivesse orgulho. Pablo, espero que esteja orgulhoso esta noite", continuou.