Katy Perry a cantar
Katy Perry a cantar "I Kissed a Girl" nos prémios MTV em 2008 Reuters/MARIO ANZUONI

Direitos humanos

Katy Perry já rezou para afastar a homossexualidade do seu caminho

A cantora cresceu num ambiente evangélico onde a homossexualidade é vista como uma doença.

Katy Perry cresceu num ambiente evangélico e participou em campos de férias cristãos onde se rezava para afastar os homossexuais dos jovens. Como compositora, a também cantora norte-americana revela que a canção I Kissed a Girl é autobiográfica e que em adolescente rezou para se manter afastada da homossexualidade.

A confissão foi feita durante a Gala da Campanha pelos Direitos Humanos, no sábado à noite, em Los Angeles, na qual a cantora recebeu o prémio de defesa dos direitos LGBT. 

"Eu falo sobre as minhas verdades e pinto as minhas fantasias nestas pequenas canções, como por exemplo: eu beijei uma rapariga e gostei", disse, fazendo assim referência à sua canção de 2008. "Verdade seja dita, eu fiz mais do que isso [beijar uma rapariga]. Mas como reconciliaria isso com o facto de cantar música religiosa em campos de férias evangélicos?", questiona a artista, para acrescentar: "O que eu sabia era que estava curiosa e que a sexualidade não é a preto e branco como este vestido [o que usou durante a gala]."

Recorde-se que além de os pais da cantora serem pastores evangélicos, em 2001 esta lançou um álbum de canções religiosas sob o nome Katy Hudson.

Durante a cerimónia, Perry contou ainda que as suas primeiras palavras foram "mamã", "papá", "Deus" e "satanás". Portanto, a homossexualidade era sinónimo de "abominação" e "inferno". Por isso, a maior parte da adolescência, Kate rezou para manter os gays longe de si. 

Foi quando saiu do seu ambiente familiar e conheceu outras pessoas, incluindo homossexuais, que a sua forma de pensar mudou, assim como a sua vida. "Tem sido um longo caminho para mim e tenho a certeza que será um longo caminho para vocês. Eu sei que nem sempre nos sentimos seguros por vivermos com o que somos, mas uma coisa eu sei: não teria escolhido um caminho diferente", continua a cantora. "Porque não escolhemos a nossa família, mas podemos escolher a nossa tribo", conclui.