Reuters/MARIO ANZUONI

Canadá

Justin Trudeau foi agredido por Matthew Perry... na escola primária

Actor de "Friends" não se gaba do sucedido e confessa que tinha inveja de Trudeau ser melhor no desporto.

Não fala do sucedido com orgulho. O actor Matthew Perry que viveu a infância no Canadá, andou com o actual primeiro-ministro Justin Trudeau na escola e bateu-lhe na altura.

"Não me gabo disso, é terrível", confessou Perry, que tem dupla nacionalidade (EUA e Canadá), ao apresentador e comediante Jimmy Kimmel, no seu programa na quarta-feira à noite. "Eu era uma criança estúpida", confessa.

O actor nem se lembrava bem do sucedido, que lhe foi recordado por um amigo de então, conta. Eles estavam no 5.º ano, eram mais velhos que Trudeau e bateram-lhe. "Eu acho que ele era bom num desporto qualquer e nós não éramos", justifica, acrescentando que foi por "inveja". 

Na altura o pai de Justin Trudeau era primeiro-ministro do Canadá e a mãe de Perry era assessora de imprensa do governante. "Mas não foi por isso que lhe batemos", reconhece o actor que ficou conhecido pela sua personagem Chandler Bing na série Friends. "Eu acho que ele era o único miúdo na escola em quem poderíamos bater."

Kimmel pergunta se não havia serviços secretos para proteger o filho do primeiro-ministro ao que o actor responde que não. E rapidamente o comediante estabelece comparações: se fosse hoje, com o filho mais novo de Trump, Baron Trump, de dez anos, Matthew Perry estaria preso "algures na Rússia".

Perry e Trudeau fizeram o ensino básico numa escola pública localizada num dos bairros mais ricos da capital do Canadá e que era frequentada pelos filhos de políticos e embaixadores, informa o The Guardian.

Durante o programa, Perry disse ainda que nunca tinha falado com Trudeau sobre esse episódio. "Mas eu acho que contribui para que ele tenha chegado a primeiro-ministro", brinca. "Eu acho que [na altura, quando foi agredido] ele disse: "Eeu vou levantar-me, ser superior e tornar-me primeiro-ministro'".

Contactado sobre as declarações do actor, o gabinete de Trudeau preferiu não se pronunciar.