O professor, a mulher e os filhos deram uma conferência de imprensa depois do incidente
O professor, a mulher e os filhos deram uma conferência de imprensa depois do incidente LUSA/YONHAP

Televisão

E se em vez do pai fosse a mãe a ser interrompida pelos filhos durante a entrevista à BBC?

Programa neozelandês faz paródia com o caso do professor cuja entrevista se tornou viral na Internet.

Há precisamente uma semana, o vídeo de um especialista em política sul-coreana a ser interrompido pelos filhos enquanto falava em directo para a BBC tornou-se viral nas redes sociais. Mas o que aconteceria se em vez de um homem fosse uma mulher? A resposta a esta pergunta está no programa humorístico Jono and Ben, do canal Three da Nova Zelândia. 

Ao contrário de Robert Kelly, neste caso, a mãe lida com toda a naturalidade com a entrada da filha no escritório onde está, frente ao computador, ligada por Skype aos estúdios da BBC em Londres.

A criança entra e a mãe pega-a ao colo, dá-lhe o biberão e continua impávida a dar a sua opinião sobre o tema que lhe foi colocado pelo jornalista do outro lado do planeta. O mais pequeno vem atrás da mais velha e a mãe dá-lhe um brinquedo para o entreter e continua com as suas tarefas domésticas sem nunca perder o fio condutor da conversa. 

A sequência revela que as mulheres conseguem fazer várias tarefas ao mesmo tempo, desde tirar o frango do forno a ajudar uma equipa das minas e armadilhas a desactivar uma bomba. O final é familiar a muitas mulheres.

O vídeo está disponível na conta de Facebook do programa neozelandês e já foi vuisualizado e partilhado até à exaustão. O Life&Style imagina que será partilhado sobretudo por mulheres que se revêem no mesmo.

Tarefas domésticas: se eles não fazem mais, elas devem fazer menos

Quanto ao episódio real, esse durou menos de um minuto, e destaca-se pela postura séria e imóvel do professor em contraste com a descontracção e alegria das crianças a entrarem com toda a naturalidade no escritório e, poucos segundos depois, o desespero da mulher a tentar tirar as crianças da sala, preocupada em não aparecer no plano da imagem.

Na terça-feira, o especialista em assuntos relacionados com as Coreias da Universidade de Pusan, na Coreia do Sul, explicou, em duas entrevistas, acompanhado pela família, o que se passou.