Televisão

Scarlett "Ivanka Trump" Johansson no "Saturday Night Live"

Actriz encarna o papel da filha do Presidente norte-americano numa rábula do programa televisivo.

A actriz Scarlett Johansson é a última a encarnar um Trump na televisão. Ivanka Trump, mais precisamente. No Saturday Night Live (SNL), Johansson pôs uma longa cabeleira loura e caminhou por um salão dourado, como se entrasse numa festa. A rábula pretendia transportar os espectadores para um anúncio a uma fragância, a última da marca de Ivanka, e lembra o feito por Charlize Teron para a Dior.

O perfume criado pelos autores do SNL chama-se apropriadamente "Complicit", cúmplice. De quem? Do pai. A dada altura, Ivanka está à frente de um espelho para retocar a maquilhagem e, do outro lado do espelho, está o pai Donald Trump, o actor Alec Baldwin, a fazer o mesmo, o que põe a plateia do programa rir. 

"Ela é bonita. Ela é poderosa. Ela é cúmplice", diz a voz off enquanto Johansson passeia pela sala. "Ela é uma mulher que sabe o que quer e que sabe o que faz". Acrescentando, numa crítica a Ivanka e ao seu alegado apoio aos direitos das mulheres, que ela é uma "feminista, uma campeã, uma advogada em defesa das mulheres", embora apoie o pai na sua política contra as mulheres.

Trump ataca empresa em defesa da honra (e dos negócios) da filha

O anúncio termina dizendo que "Cúmplice" é a fragância para a "mulher que poderia por um travão a tudo isto, mas não o põe". E que existe também a versão masculina para Jared Kushner, o marido de Ivanka.