• Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves
  • Dino Alves
    Dino Alves

ModaLisboa

Ana Bola e Maria Rueff deram o sermão em nome de Dino Alves

O desfile de Dino Alves começou com um momento invulgar, um manifesto dito na voz das comediantes Ana Bola e Maria Rueff.

Dino Alves já tinha prometido uma lição para o último dia da ModaLisboa e não desiludiu. A apresentação do designer começou com uma palestra de quase dez minutos dada por Ana Bola e Maria Rueff, sobre a disparidade entre o interesse nos seus desfiles e o volume de compras.

“Todas as peças estarão a venda. Repito, todas as peças estarão à venda”, anunciou uma das comediantes, salientando ainda que será “no mesmo sítio onde [os convidados] se deslocam para pedir convites” — o ateliê/loja da rua da Madalena, em Lisboa. As peças vieram, aliás, acompanhadas das etiquetas de preços e em várias camisolas liam-se frases como: “try me” (experimenta-me), “Love Dior” (amo Dior) e “Prefer Chanel ” (prefiro Chanel). 

As oradoras anunciaram que a colecção foi criada com o mínimo de recursos possíveis, por opção do criador.  “Não estranhem a ausência de botões, de fechos éclair, de bainhas por fazer”, avisaram. “Esta opção não resulta de todo de uma vontade ou necessidade de desinvestimento, mas sim uma forma de aguçar a criatividade de quem faz e que quem compra. Uma espécie de faça-você-mesmo, para verem o que isto custa”.

A imprensa foi também alvo de chacota. Ana Bola deu uma nota de agradecimento à imprensa cor-de-rosa... e à azul bebé, à verde às riscas e à amarela às flores. “E um grande bem haja às revistas transparentes. São as que veem os desfiles, mas como são transparentes, não se consegue ver o que escrevem sobre os ditos desfiles”.

O criador aproveitou para dar algumas lições de estilo: “todas as peças apresentadas são vestíveis, embora haja algumas que funcionem para criar styling e impacto enquanto show”.

O desfile revelou apenas 25% da colecção — já que é esta a percentagem das peças que são depois vendidas em loja. O discurso foi recebido de forma animada pela audiência, entre risos e grandes aplausos.