EPA/ROLEX DELA PENA

A futura dentista que fez regressar o título de Miss Universo à Europa

A francesa Iris Mittenaere, de 24 anos, venceu o concurso realizado nas Filipinas.

Nasceu em Lille há 24 anos, quer ser dentista e defende a abertura das fronteiras europeias para o acolhimento dos refugiados da guerra. Além disso, possui “beleza, graça, confiança e inteligência”. Foi com este “bilhete de identidade” que Iris Mittenaere, Miss França 2016, conquistou na noite de domingo, nas Filipinas, o título de Miss Universo. A concurso estavam 86 modelos.

É apenas a segunda vez que a França é distinguida neste concurso, que vai na 65.ª edição – a primeira tendo acontecido há já mais de meio século, com a eleição de Christiane Martel, em 1953. E o título não vinha para a Europa desde 1990, quando foi conquistado pela norueguesa Mona Grudt.

No espectáculo realizado no Arena Mall of Asia, em Pasay, cidade da região de Manila – e é a terceira vez que as Filipinas acolhem o concurso –, ficaram em segundo e terceiro lugares, respectivamente, a Miss Haiti, Raquel Pelissier, e a Miss Colômbia, Andrea Tovar. A concorrente portuguesa, Flávia Brito, não conseguiu integrar o grupo das 13 finalistas que foram chamadas ao último desfile.

O concurso, que abriu ao som do rapper norte-americano Flo Rida, foi apresentado pelo seu concidadão, o actor e escritor Steve Harvey, que no ano passado, em Las Vegas, protagonizou o episódio rocambolesco de ter trocado o nome da vencedora do concurso: anunciou o título para a colombiana Ariadna Gutiérrez, em vez da filipina Pia Wurtzbach. Um episódio que o próprio Harvey evocou este ano, ao dizer esperar que tudo corresse bem desta vez, e não fosse “obrigado a sair do palco a correr”.

Iris Mittenaere é estudante de medicina dentária, em Paris, e explicou, durante o concurso, que quer especializar-se em cirurgia dentária. Manifestou-se, de resto, especialmente motivada em fazer campanha pela higiene oral, principalmente junto das crianças e das mulheres mais jovens. Morena, com 1,72 metros de altura, disse-se defensora da abertura das fronteiras da Europa aos imigrantes, e que isso será também enriquecedor do ponto de vista cultural e civilizacional. Na sucessão de passos que teve de cumprir até ao título de Miss Universo, Mittenaere defendeu e elogiou a gastronomia do seu país, além de se mostrar adepta de viagens e desportos radicais.

“Fiquei muito surpreendida com a vitória, sinto-me abençoada. Ser Miss Universo era o meu sonho, todas as raparigas o querem ser, o palco é fantástico; é tudo fantástico”, disse, no final do concurso.

Antes de chegar a Miss Universo, Iris Mittenaere fora eleita Miss França no ano passado e, antes, em 2015, Miss Flandres e Miss Nord-Pas-de-Calais, a região de onde é originária.