instagram.com/theashleygraham

Ashley Graham escreve carta aberta sobre críticas ao seu corpo

Na base do texto da modelo estão as críticas feitas a uma fotografia publicada no Instagram, onde Graham parece mais magra.

Foi uma publicação no site Lenny, plataforma feminista criada por Lena Dunham, que deu voz à modelo Ashley Graham, primeira modelo plus-size na capa da Sports Illustrated, e à sua mais recente carta aberta que vem responder às constantes críticas sobre o seu corpo – para muitos demasiado curvilíneo, para outros já magro para ser considerado plus size.

Graham tem levado a cabo um movimento de autoconfiança com o próprio corpo, criando diálogo sobre o tema e incentivando outras mulheres a sentirem o mesmo e a libertarem-se dos padrões de beleza da sociedade. A modelo vem agora oferecer uma nova perspectiva sobre a maneira como vêem o seu corpo num texto intitulado de Shamed If I Do, Shamed If I Don't, onde os comentários que lhe são feitos às fotografias do Instagram estão na base de tudo.

Não responder aos comentários não é uma opção para Ashley Graham. “As redes sociais permitiram que eu fizesse delas uma plataforma como activista do corpo. Criar a comunidade #BeautyBeyondSize não seria possível caso eu ignorasse os meus seguidores para quem eu trabalho e dou a voz por”, escreveu Ashley no site Lenny.

Uma fotografia partilhada pela modelo e jurada do America’s Next Top Model onde, devido ao ângulo em que foi captada, esta parece ter perdido peso, fizeram espoletar as críticas negativas chamando “falsa gorda” a Graham.

 

 

Glam squad magic ??

Uma foto publicada por A S H L E Y  G R A H A M (@theashleygraham) em



 

 

“Eu sou mais do que as minhas medidas. Eu não sou a Ashley Graham só porque tenho curvas”, esclareceu. Apontou também que não perdeu peso e que relativamente a quem a critica por fazer exercício, ela fá-lo para ter saúde.

“Se eu quisesse perder peso não seria a decisão de mais ninguém que não a minha”, pode ler-se em Shamed If I Do, Shamed If I Don't. Graham afirma que as críticas ao corpo das mulheres não servem apenas para as plus size, mas também para as que são apelidadas de “demasiado altas” ou “demasiado magras”, avaliações igualmente com uma conotação negativa.

“Quando publico fotos a mostrar a minha celulite acusam-me de promover a obesidade. Este ciclo de body-shaming tem que acabar. Estou farta”, clarifica a modelo. “Recuso-me a deixar que os outros ditem como vivo a minha vida e como o meu corpo deve estar para o conforto deles. Nem vocês deviam deixar que isso acontecesse”, concluiu no seu ensaio sobre o tema no Lenny.