Solange Dessimoulie, fundadora da Decléor.
Solange Dessimoulie, fundadora da Decléor. instagram.com/decleorparis

Solange Dessimoulie: a fundadora da Decléor que deu um novo sentido à aromaterapia

A técnica de aplicação dos óleos da marca é inspirada na prática de artes marciais.

Solange Dessimoulie tem 72 anos, mas nada na imagem da francesa os faz transparecer. Enérgica e sempre sorridente ainda dá a cara pela marca que criou há 42 anos: a Decléor e que em 2014 vendeu à L'Oréal.

Dentro do auditório da Fundação Champalimaud, em Lisboa, reina a boa disposição de Solange Dessimoulie que não deixa ninguém indiferente. À entrada do espaço, onde decorreu esta terça-feira uma conferência da marca francesa, Dessimoulie era a convidada de honra e, de forma atenciosa, cumprimentava individualmente os presentes. 

Décadas de experiência na área da aromaterapia cosmética levaram a que, em 2014, o grupo L’Oréal comprasse a marca nascida na garagem de Dessimoulie. A L'Oréal possui um alargado portefólio de marcas a trabalhar nos mais diversos sentidos e a preencher as vertentes da área da beleza. “Começámos a pensar cada vez mais na beleza global profissional. Iniciámos essa expansão e comprámos marcas dedicadas a outros campos da beleza”, informa Cátia Martins, directora-geral da Divisão de Produtos Profissionais da L'Oréal Portugal, sobre a adição da Decléor ao grupo.

A fundadora da marca foi a última oradora do evento e, no seu francês perfeito, começa por dizer que ainda trabalha “como antigamente”. A energia e a vontade de continuar a transmitir conhecimentos — que diz ser a sua verdadeira profissão — nunca se perderam, mesmo passados tantos anos.

“Em 1974, criei a arte de viver ao natural. Tenho a sorte de vir do campo e de perceber de botânica e de onde vêm as coisas”, assume Dessimoulie.

A francesa confessa que nunca achou que o grupo L’Oréal fosse compreender a essência da Decléor, que trabalha com produtos 100% naturais, onde os óleos essenciais se misturam com os botânicos. “Com os óleos conseguimos combater os inimigos da beleza: o sono, o stress, as rugas ou as manchas. Eles trabalham as nossas emoções”, explica.

Solange Dessimoulie conta-nos que praticou tai chi e foi nesses anos de treino que foi buscar a inspiração para as técnicas de aplicação dos óleos terapêuticos, exigindo às esteticistas que trabalham com a marca que usem essas mesmas técnicas. “A minha prática de artes marciais ajudou-me a criar esta coreografia que é um relaxamento tanto para quem recebe como para quem aplica”, confirma.

Ao longo dos anos, estas técnicas foram trabalhadas de forma a atingirem pontos de reflexologia, ou seja, zonas específicas do corpo que afectam directamente outras. “Se massajarmos a zona dos olhos há uma correspondência directa aos rins”, informa a fundadora da marca.

Dessimoulie diz-nos que não basta cheirar os óleos e que, aliás, fazê-lo de forma brusca é errado, pois há todo um processo de meditação prévio para que o efeito resulte no pretendido. “ O odor sobre ao cérebro e age sobre as emoções quando respiramos. A aromatologia trabalha sobre o comportamento emocional”, acrescenta.

O significado da marca traduz-se em Chave de Ouro, que Solange Dessimoulie diz ser a chave para abrir o “templo fundamental da beleza”. O desejo da mulher de 72 anos é que cada pessoa que use estes óleos terapêuticos encontre a sua própria chave. 

A Decléor tem tratamentos de rosto e de corpo, todos à base dos óleos aroma-terapêuticos, disponíveis em alguns institutos de beleza. A marca fornece a informação de qual é o local mais próximo para o fazer através de um contacto por parte do consumidor

Texto editado por Bárbara Wong