AFP PHOTO / DENIS SINYAKOV

Emprego

E se fosse despedida por ir trabalhar de sapatos rasos?

Nicola Thorp, uma funcionária londrina, foi despedida no seu primeiro dia de trabalho por se ter recusado a usar sapatos altos.

No seu primeiro dia de trabalho como recepcionista na empresa PWC, Nicola Thorp, 27 anos, chegou e mandaram-na embora. O que se passou? Estava de sapatos rasos e recusou-se a usar saltos altos, revela o jornal britânico The Independent. Para além de não ter sido paga, ainda foi discriminada por um colega que se riu quando a jovem reivindicava os seus direitos.

A empresa de outsourcing que a contratou disse à BBC que existem regras de indumentária e que são essas que asseguram que os colaboradores estejam bem vestidos e de acordo com a função que desempenham. No entanto, a empresa não põe de parte a revisão do regulamento.

Nicola Thorp decidiu publicar o sucedido no Facebook porque, defende, esta não é só uma questão que lhe diga respeito.

A jovem lançou uma petição com o objectivo de alterar estas regras, que conta já com mais de 110 mil assinaturas, e dirigiu-se à comunicação social. À BBC, Thorp disse: “Se me derem uma razão plausível para usar saltos altos, tendo em conta que a falta dos mesmos me impediria de fazer o meu trabalho hoje, aí sim, seria justo, mas eles não conseguiram. Eu tinha de fazer um horário de nove horas, em pé, levando os clientes para as salas de reunião. E disse que não seria capaz de o fazer de saltos altos.”

Ao início estava assustada por se expor, com medo que a questão fosse só sua e recebesse muitas reacções negativas. Mas não foi isso que aconteceu e compreendeu que estava a “dar voz a uma questão que é maior do que parece", avalia.