AFP

Reacções

E Caitlyn Jenner foi recebida com aplausos nas redes sociais

Antes chamava-se Bruce Jenner, agora apresentou-se na capa da revista norte-americana Vanity Fair. Celebridades e anónimos reagiram.

Em menos de quatro horas, a conta de Caitlyn Jenner, antes Bruce Jenner, no Twitter alcançou um milhão de seguidores – mais rápido do que Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, quando se juntou à rede a 18 de Maio, que alcançou a marca em cinco horas. À hora de escrita deste artigo, a conta já vai em quase dois milhões. Foi também através das redes sociais que a família Kardashian partilhou fotos da sessão fotográfica para a Vanity Fair de Julho. Mas as opiniões vieram de todos os cantos do mundo.

A revista norte-americana People começou por averiguar as raízes deste nome. Porquê Caitlyn? Segundo a publicação, a grafia norte-americana deste nome irlandês – com “y” – em vez de dois “i” – significa “puro”, um “sentimento apropriado para a mulher que que considera esta capa o momento em que se torna livre”. Também a escolha da revista Vanity Fair para se dar a conhecer ao mundo foi alvo de estudo. A CNN diz que a escolha se deve à “credibilidade, elegância e permanência de uma edição impressa, particularmente desta revista”.

“A Vanity Fair é a única revista que combina celebridades e jornalismo”, analisa Samir Husni, director do Magazine Innovation Center, da Universidade do Mississippi, contactado pela publicação. “A credibilidade que uma revista como a Vanity Fair tem no mercado não pode ser comparada com a credibilidade de qualquer outro órgão quando se trata de jornalismo de investigação e jornalismo de celebridades”, acrescenta.

Caitlyn tem cabelos castanhos, encaracolados, veste um corpete marfim justo e usa uma maquilhagem natural. Assim que a fotografia surgiu na Internet – e são muitos, como o Washington Post, que dizem que foi esta capa que “partiu a Internet” e não a de Kim Kardashian para a edição de Inverno da revista Paper, em Novembro –, várias pessoas notaram semelhanças entre Caitlyn Jenner e a actriz da série American Horror Story, Jessica Lange. As parecenças levaram a própria actriz, de 66 anos, a tecer comentários: “Isso é maravilhoso”, disse em declarações ao Daily Beast.

Kim Kardashian, um dos maiores apoios do padrasto, revelou o então Bruce, na entrevista a Diane Sawyer, no final de Abril, dedicou uma mensagem a Caitlyn: “Sê feliz, sê orgulhosa, vive a vida à tua maneira!”. Kendall Jenner usou a frase de Caitlyn, que no vídeo dos bastidores da sessão fotográfica diz que assim que a capa da Vanity Fair sair, está “livre” e escreveu: “Sê livre agora, como um pássaro”.

Andreja Pejic, de 23 anos, a primeira modelo transgénero a ter um perfil nas páginas interiores da Vogue norte-americana e o novo rosto da marca de beleza Make Up For Ever, explica à People que a experiência de transição de cada um “é única” mas descreve a capa de Jenner como “linda”.

No Instagram, a actriz Jaime King, elogiou a fotografia, que diz ser “uma das mais bonitas” que já viu, por representar “beleza, bravura, coragem, perseverança e uma mudança não só para Caitlyn mas para todo o mundo e para a comunidade LGBT”. A cantora pop norte-americana Miley Cyrus partilhou a mesma imagem e escreveu “Eu amo a Caitlyn”. Também a apresentadora de televisão Ellen DeGeneres elogiou a coragem de Jenner: “A minha esperança para o mundo é que todos possamos ser corajosos como Caitlyn Jenner.”

Através da conta de Twitter @BarackObama, gerida por uma organização não partidária que nasceu na sequência da segunda campanha de Obama, o Presidente dos Estados Unidos também comentou a capa da revista e a transição de Jenner: "É preciso coragem para partilhar a sua história." Na mesma conta, é pedido aos seguidores que partilhem as suas experiências com questões da comunidade LGBT. "A tua história é importante na luta pelos direitos LGBT. Partilha-a."

A conservadora Fox News, no entanto, descreveu a capa de Caitlyn Jenner como “o fim da civilização americana”, usou pronomes masculinos para identificar Caitlyn e fez uma série de “piadas ofensivas e transfóbicas”, refere o Daily Beast. Os comentários “nojentos”, continua o diário, contrariam a sensibilidade e profissionalismo com que o tema foi tratado noutros órgãos de comunicação, diz o Mashable.   

A edição de Julho da Vanity Fair chega às bancas norte-americanas no próximo dia 9. Um mês depois, a 15 de Julho, Caitlyn Jenner vai fazer a sua primeira aparição pública, na cerimónia de entrega de prémios ESPYS, onde vai receber o prémio Arthur Ashe Courage –que distingue pessoas cujas contribuições transcendem o desporto – pela sua coragem por se assumir publicamente como uma mulher transgénero. "O Bruce recebeu vários prémios ao longo dos anos por ser um dos melhores atletas olímpicos dos nossos tempos mas desta vez, os ESPYS vão celebrar o facto de Bruce se ter tornado Caitlyn", disse a directora executiva do canal ESPN, Maura Mandt.