• DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman
  • DR/Johan Bävman

Paternidade

Os pais também podem ficar em casa com os bebés

Ensaio fotográfico mostra a rotina de vários homens suecos que escolheram usufruir do seu tempo de licença de paternidade.

Quando o filho de Johan Bävman nasceu, o fotógrafo freelancer quis aproveitar a licença parental que o sistema sueco lhe ofereceu – no total são 480 dias e, destes, 60 têm obrigatoriamente de ser tirados pelo pai ou companheiro da mãe; se não forem utilizados, os 60 dias são perdidos e a licença parental fica em apenas 420 dias – e aproveitar os primeiros meses de vida do seu bebé. Mas não encontrou muitos pais como exemplo a seguir.

“Não conseguia encontrar livros ou algum modelo”, relembra Bävman em entrevista à revista norte-americana Cosmopolitan. “Não queria ser um super pai. Queria que houvesse pais a mostrar as dificuldades de ter um filho”, acrescenta. Por isso, procurou os homens que partilham a totalidade da licença de maternidade com as suas mulheres (apesar dos benefícios, são apenas 12%) e fotografou-os. A série chama-se Swedish Dads e já tem 35 retratos – o objectivo são 60, um por cada dia de licença obrigatória para os pais.

Nas fotos, os pais mostram a sua nova rotina familiar: há fraldas, sestas, birras, tarefas domésticas, cansaço mas também risos e brincadeiras com as crianças. “Enquanto falava com estes pais, apercebi-me que eles estavam impressionados com a importância da ligação entre eles e a criança”, explicou à CNN o fotógrafo, pai de um menino de três anos, Viggo.

Em cada imagem, publicada no seu site, há um depoimento de cada pai que mostra que tomar conta e educar os filhos é “um trabalho difícil e full-time” mas não é exclusivo das mulheres, pelo contrário. “Quando temos um filho, a mãe não é melhor do que o pai a tomar conta dele. Não é algo biológico em que a mãe é melhor. É uma coisa que se aprende por tentativa e erro”, defende.

Em última análise, além de querer criar exemplos para outros pais, Bävman quer que o seu projecto “crie debate e discussão sobre o tema de quem fica em casa com os filhos e o que se ganha com isso” na Suécia mas também noutros países.