A imagem da campanha The Perfect Body
A imagem da campanha The Perfect Body DR

Ditadura da imagem

O “corpo perfeito” da Victoria’s Secret irrita mulheres

A nova campanha da conceituada marca de lingerie norte-americana Victoria’s Secret foi apelidada de “irresponsável" e “doentia”.

Modelos altas e magras vestem os novos sutiãs da marca, da linha Body (“corpo”, em português), na nova campanha publicitária da Victoria’s Secret. Uma publicidade como as outras, não fosse o slogan que acompanha a fotografia das dez modelos: “The Perfect Body” (“o corpo perfeito”), um trocadilho com o nome da nova linha de roupa interior. A frase aparece por cima do corpo das modelos, sugerindo que as manequins possuem o corpo perfeito, e só na legenda se percebe que é uma referência a cada um dos sutiãs que envergam.

Nas redes sociais, as reacções foram imediatas e já há uma petição contra a marca norte-americana, com mais de 16 mil assinaturas, que exige um pedido de desculpas pelo anúncio “irresponsável” e a alteração da campanha. “Queremos que a Victoria’s Secret assuma a responsabilidade pela mensagem destruidora, doentia e pouco saudável que o slogan 'The Perfect Body' transmite à sociedade sobre o corpo da mulher e a forma como ele é julgado”, lê-se na petição online endereçada à marca

A marca de lingerie Dear Kate,"feita de mulheres para mulheres", criticou no seu site a ditadura da imagem e a definição de beleza criada por uma sociedade homogénea. Sobre a campanha, escreveram: "Quem criou o anúncio provavelmente não pensou duas vezes na mensagem que estavam a enviar. Para nós, isso é marketing irresponsável".

No Twitter, milhares de pessoas, na sua maioria mulheres, escreveram mensagens a criticar a campanha. “Não percebo por que é que a Victoria’s Secret quer que as pessoas pensem que o corpo perfeito é quando as costelas estão à vista e o corpo não é mais do que pele e osso”, escreveu uma utilizadora. Outra acrescentou: “Estamos no século XXI e ainda temos de dizer às grandes empresas para pararem com os padrões de beleza irreais que envergonham as raparigas”.

Foi também criada a hashtag #iamperfect (“eu sou perfeita”) como forma de protesto, que incentiva todas as mulheres a irem a uma loja da marca e tirarem uma foto ao lado dos outdoors da campanha.

Em resposta, a Dove, marca de beleza, publicou na sua página oficial do Twitter uma entrada com o título “Real Beauty” (“beleza real”) acompanhada de uma imagem de seis modelos com curvas (uma alusão à campanha que lançaram em 2004). Na legenda escreveram: “Hoje celebramos o verdadeiro corpo perfeito e todas as mulheres que dizem ‘eu sou perfeita como sou’”.

A Victoria’s Secret não respondeu às reprovações e ainda não retirou a campanha do site. Entre os “anjos” que fazem parte da campanha está a modelo portuguesa Sara Sampaio, que depois das críticas feitas à actriz Jessica Athayde (após o desfile em biquíni na última edição da ModaLisboa) defendeu-a e revelou já ter sido alvo de críticas. “Já perdi a conta às vezes que me mandaram ir comer um hambúrguer, que me chamaram anoréctica, esqueleto”, admitiu, confessando que isso “magoa”. “Deixem de criticar os corpos umas das outras”, apelou.