Tiago Machado

Para o Verão que aí vem o Arenae Malvasia de Colares é um branquinho que assenta na boca como um sopro salgado de maçãs e maresia

Os vinhos de Colares são dois: o branco, da casta Malvasia de Colares, e o tinto, da casta Ramisco. Ambos são raros, únicos, imprevisíveis e maravilhosos.

É bom partilhar um clima com um vinho. O aquecimento global é uma certeza científica (e enológica) mas cada ano, cada mês é diferente. São muito poucas as uvas Malvasia de Colares e Ramisco. Duas horas chegam para ver todas as vinhas. As vinhas são interessantíssimas. Mesmo quem nunca tenha provado um vinho de Colares há-de deliciar-se com as dificuldades imensas de cultivar as uvas. É emocionante ver como as vinhas resistiram historicamente à filoxera. Mas mais emocionante ainda é ver o que é preciso fazer para ajudá-las a sobreviver aos próprios elementos que lhe dão personalidade.

Uma das razões que me levou a vir viver para Colares foi estar apaixonado pelos vinhos que aqui se fazem. São vinhos que, quanto mais se conhecem, mais se admiram.

O Colares Malvasia é há muitos anos o meu branco português favorito. Cada colheita pode ser um milagre mas, para os apreciadores que se habituaram à magia dele, é reconfortante que consiga manter-se delicioso. É um vinho romântico que não só permite devaneios (o mar, o sal, o vento, as neblinas, a areia, as maçãs reinetas, o sol, as canas, o céu) como os encoraja.

O Colares Malvasia que conheço melhor é obviamente o único que tem tido uma produção regular: o da Adega Regional de Colares, feito com argúcia e sabedoria por Francisco Figueiredo. Ultimamente tem sido justamente elogiado por comentadores estrangeiros e portugueses que, para além de apreciarem a raridade e a dificuldade do vinho, gostam mesmo dele.

É isto que em 2017, nesta fase já muito adiantada das coisas em que se vai adiando, ano a ano, o apocalipse dos vinhos de Colares há muito anunciado, precisa de ser dito: o vinho branco Arenae Colares Malvasia é muito delicioso. Viesse de onde viesse, e fosse de que ano fosse o lançamento mais recente, o de 2014 seria sempre um vinho branco agradabilíssimo.

Há quem compare o Malvasia às Manzanillas de Sanlucar. Há quem o compare com os vins jaunes do Jura. Compreende-se a comparação em termos metafísicos — a elegância, a excentricidade, a atitude ame-o ou deixe-o — mas o Malvasia de Colares é um vinho branco que é feito como se fazem tantos outros vinhos brancos europeus. Não é feito sob flor nem é sujeito a oxidação especial. Tanto na cor como no grau alcóolico e no sabor é mais parecido com um Chablis ou até um bom Muscadet, só que mais subtil e mais refrescantemente amargo.

Os escanções americanos gostam de chamar unicórnios aos vinhos raríssimos. O Colares Malvasia já foi nomeado com alegria e fanfarra um unicorn’s unicorn: o unicórnio com que sonha o unicórnio.

Esta fama de inacessível não é nada amiga do vinho. Todos os anos entro na loja da Adega Regional de Colares para comprar vinho. Uma garrafa de Malvasia custa 13 euros, com todos os impostos incluídos.

Não é pouco dinheiro mas, lá está, para um vinho que não chega às 2000 garrafas (de meio litro cada uma), tão deliciosamente diferente e diferentemente delicioso, não é nada caro. É uma experiência única, sim, mas é também um facílimo prazer.

Gosto muito das Manzanillas e dos Finos da região do Jerez mas é difícil convencer outros portugueses a gostar deles. Dizem-me que são demasiado secos, ferrugentos, panificados ou infrutíferos. Não percebo mas tenho de aceitar que é uma questão de gosto.

Também o Ramisco de Colares é uma questão de gosto. Há muitas pessoas que não gostam da adstringência dos taninos que estes vinhos têm quando são novos. É escusado estar com argumentos. Não há convencimento possível.

Mas o Malvasia é completamente diferente. Vê-lo como o Ramisco branco é dar um tiro no pé. É uma ignorância perigosa que impede muita gente de conhecer um vinho branco absolutamente delicioso que só por mero acaso é raríssimo também.

Ainda bem que continua raríssimo à portuguesa e até é fácil encontrar.

 

Arenae Malvasia de Colares 2014

13€

Adega Regional de Colares

Tel.: 219 291 210