DR

Graças aos perfeccionistas do Fábrica Coffee Roasters de Lisboa os portugueses já podem comprar online café de primeiríssima qualidade

Até aqui os fãs do café especial, incluindo eu, tinham de encomendar tudo do estrangeiro. Pois finalmente há uma empresa portuguesa com uma presença online onde se pode comprar bom café bem torrado por preços que se comparam favoravelmente com os concorrentes estrangeiros.

Quem mora em Lisboa ou vem de visita já conhece o café Fábrica Coffee na Rua das Portas de Santo Antão (211 399 261) e na Rua das Flores (211 392 948). É incrível no ano de 2017 que corre, mas é verdade: só há mais um sítio em Lisboa onde servem café de primeiríssima qualidade, o Copenhagen Coffee Lab, na Rua Nova da Piedade, perto da Praça das Flores (916 604 054).

De resto só há café de segunda, terceira ou quarta qualidade, sempre excessivamente torrado e envelhecido e só muito raramente 100% arábica. Isto é um facto. Os portugueses podem estar viciados em mau café na forma de bicas e podem até encarar o café como um mero estimulante. Só é pena que nunca tenham provado um café arábica de grande qualidade levemente — e recentemente — torrado que seja servido por quem sabe o que está a fazer.

Em Lisboa é muito simples: só no Fábrica e no Copenhagen é que há o melhor café servido da melhor maneira. Para quem nunca provou, é melhor imaginar uma bebida inteiramente diferente, cheia de sabores novíssimos. 

Os baristas que trabalham nestes autênticos centros de excelência são pioneiros e — se não estiverem muito ocupados — podem ser consultados quanto à preparação do café em casa. Se for um principiante é má ideia aventurar-se nos cafés expresso — deixe isso para os profissionais, com máquinas profissionais. Já o café de filtro é bastante mais fácil de aprender, oferecendo resultados muito animadores.

A Fábrica vende online três cafés torrados para filtro: um Sidamo etíope, um Guatemala (El Morito) e um Ruanda (Simbi). O Sidamo custa 9,90€ por 250 gramas, o Morito custa 8,50 euros e o Ruanda custa 8,90 euros. Todos vêm em embalagens profissionais, permitindo manter a frescura do café depois da abertura. Os portes são razoáveis. A minha encomenda mais recente foi de quatro sacos de Sidamo (39,60 euros) e paguei 4,90 euros pela entrega (através da Chronopost). O total é 44,50 euros por um quilo de um dos melhores cafés do mundo, torrado há menos de uma semana, entregue em minha casa. 

Outra grande vantagem é poder pagar por Multibanco ou por transferência bancária. O Multibanco é instantâneo e funciona lindamente. 

Depois de uma semana a beber o Sidamo e outra a beber o Ruanda, posso dizer que a torra de ambos é muito bem julgada. Felizmente os especialistas da Fabrica Coffee Roasters, tal como os da Copenhagen Coffee Lab, não estão a ser condescendentes ou pedagógicos. O café que vendem é tão bom como o melhor que se pode comprar fora de Portugal.

Também se pode comprar, por preços competitivos, equipamento para fazer café em casa. Têm as marcas mais conhecidas: a Hario, a Kalita, a Chemex e a Aeropress. A balança com cronómetro da Hario custa 65 euros, o moinho manual da Hario custa 45 euros, o kit mais barato da Hario custa 25 euros e 100 filtros de papel custam 8 euros. Se arranjar uma balança digital mais barata (e usar o seu telemóvel para cronometrar) pode começar a fazer café de primeira qualidade (incluindo 250 gramas à sua escolha) por menos de 100 euros.

Mesmo assim, o Hario V60 é capaz de ser o método mais difícil para um principiante. A maneira mais segura e barata ainda é o Aeropress. Por 46 euros compra o kit e 350 filtros. Há milhares de vídeos online a explicar como se faz um bom café. Um dos métodos mais consistentes é o do Aeropress invertido. Também vale a pena experimentar as receitas dos campeões do mundo de Aeropress. 

É no café que Portugal está mais obstinadamente atrasado no mundo da gastronomia e dos simples prazeres. Temos de agradecer à Fábrica Café Roasters e ao Copenhagen Coffee Lab não terem ainda desistido de nós.