Pedro Cunha/Arquivo

Mitos que comemos

Posso beber água às refeições?

A resposta não é só pode, como deve! Mas o artigo não acaba aqui. Existem muitas considerações a fazer sobre este assunto que suscita sempre as mais diversas manifestações junto das pessoas.

Há as que não bebem para “não aumentar o volume do estômago e ficarem menos saciadas”, porque se “sentem inchadas quando bebem”; para não “diminuírem a concentração de enzimas e dificultar a digestão”; e até porque ouviram dizer que a água é boa, mas só no intervalo das refeições. E poderíamos continuar com o efeito da temperatura da bebida (fria ou à temperatura ambiente?), com o facto de ter ou não gás, etc.

Comecemos então por um ponto básico e do conhecimento geral: a água não tem calorias. O mesmo não se pode dizer de “águas de sabores” ou tisanas que são no fundo refrigerantes e podem ter (ou não) uma grande quantidade de açúcar associada. Mas quando falamos de água “a sério”, não tendo esta valor energético associado, os seus efeitos no decorrer da refeição serão única e exclusivamente ao nível do comportamento do nosso sistema digestivo. Um dos principais “medos” de quem evita a ingestão de água às refeições é o hipotético efeito dilatador do volume gástrico e consequente necessidade de ingerir mais comida para atingir a saciedade.

Pois bem, os estudos feitos a este nível não só desmistificam como contrariam esta ideia. Sendo certo que nestes protocolos de investigação a ingestão de água foi elevada (500ml) e 30 minutos antes da refeição (o que não replica totalmente o nosso comportamento habitual de consumo), o que foi observado é que a ingestão calórica foi significativamente menor quando se ingeriu água antes da refeição, quer numa refeição isolada, quer quando este procedimento era repetido sistematicamente em todas as refeições, algo que potenciou inclusive uma maior perda de peso nas pessoas que associaram uma “dieta” a esta prática. Esta estratégia parece ter melhores resultados em indivíduos mais velhos do que em jovens adultos, no entanto a sensação de plenitude gástrica conferida pela ingestão de água antes da refeição é uma constante.   

Quando passamos para o decorrer da refeição propriamente dito, a água continua a ter um papel importante na promoção da saciedade, mas é interessante verificar que será mais importante a sua presença em alimentos como a sopa do que ingerida separadamente. De resto, a importância da sopa como frenador do apetite é amplamente conhecido, independentemente da sua consistência.

O que podemos então concluir, é que mesmo não sendo certo que a ingestão de água à refeição contribua para o aumento da saciedade, o seu efeito “amplificador” do volume gástrico e consequente aumento do apetite não parece fazer sentido. Como tal, da próxima vez que se sentar à mesa, faça-o com a certeza que é mais importante o que tem no prato e no copo do que se este último existe ou não.

Take home messages

– Pode e deve acompanhar a refeição com água ou outra bebida.

– Se quer controlar o peso, experimente beber meio litro de água 30 minutos antes da refeição e veja como se sente. Não perde nada e no mínimo fica melhor hidratado.

Assistente Convidado da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto
pedrocarvalho@fcna.up.pt