Pedro Cunha/Arquivo

Mitos que comemos

Fruta às refeições: antes, depois ou nunca?

Estamos no campo da ficção científica da alimentação quando se fala no risco da "fermentação"

“Não comas a fruta depois do prato porque fermenta”, “Come metade da maçã antes do prato para diminuir a absorção de gordura” ou “Fruta deve ser comida de estômago vazio”, são certamente três chavões que já ouviu sobre o papel da fruta no contexto de uma refeição.

Começando pelo que realmente é verdade. A ingestão de fibra tem potencialmente um papel positivo ao nível da diminuição de absorção de gordura. Todavia, não é obrigatoriamente necessário que exista a ingestão de uma peça de fruta antes da refeição para que esta interacção benéfica ocorra. De facto, um prato de sopa possui aproximadamente a mesma quantidade de fibra que uma peça de fruta, ou mais ainda se possuir leguminosas como o grão, feijão e favas na sua composição.

Também os legumes cozidos ou saladas como acompanhamento do prato principal são excelentes fornecedores de fibra não sendo assim totalmente obrigatória a presença da fruta como “entrada”. Ainda a este nível, a ingestão de fruta no final de uma refeição tem duas potenciais vantagens: Por um lado, o teor de vitamina C de várias frutas como a laranja, morango e kiwi tem um papel benéfico na facilitação da absorção do ferro de origem vegetal presente na refeição (feijão, grão, pão, etc.). Numa outra perspectiva (mais especulativa é certo), do ponto de vista sensorial, a fruta pode fazer mais sentido no final da refeição ao conferir um carácter doce no seu epílogo, algo que muitas pessoas sempre procuram. Assim, ao inseri-la no início da refeição, este “fim de boca” salgado pode pedir algo mais e precipitar uma sobremesa doce tornando este esforço em vão.

Passando à ficção científica da alimentação, a necessidade obrigatória de ingerir a fruta de estômago vazia sob pena de “fermentação” é mais uma bonita história sem qualquer tipo de verdade por detrás (a não ser que ingira a fruta já podre e já em processo de fermentação!). De facto, o ácido clorídrico presente no nosso estômago torna o meio tão ácido que muito dificilmente qualquer processo de fermentação lá ocorreria pois nenhuma bactéria conseguiria lá sobreviver. Aliás, um dos vários segredos do “sucesso” da Helicobater pylori (a famosa bactéria “da úlcera”), passa justamente pela sua capacidade de neutralizar a acidez do seu habitat no nosso estômago e assim colonizar mais facilmente.

Aquilo que realmente fermenta é a fibra da fruta quando chega ao cólon pela flora intestinal lá presente, algo que acontece independentemente de quando e com que companhia a fruta foi ingerida. Os eventuais gases que se poderão sentir após a ingestão de fruta (bem como de hortícolas, leguminosas, cereais integrais ou outras fontes de fibra) não é um sinal de “rejeição” do nosso organismo a estes alimentos, mas sim de que os estamos a ingerir na quantidade adequada e temos uma flora intestinal funcionante. De resto, é esta mesma fibra que possui vários benefícios para a nossa saúde como a melhoria do trânsito intestinal, diminuição do colesterol e prevenção de diabetes tipo II, doenças cardiovasculares e cancro colo-rectal.