Perguntem ao pai

Teste do amor incondicional

Num mês, a minha filha conheceu um homem, deixou o marido e já vive com o novo namorado. Foi tudo demasiado rápido.

Não sendo bem uma pergunta sobre paternidade, cá vai ela. A minha filha, de 26 anos, conheceu um homem, deixou o marido, e já se mudou para a casa do novo namorado. Nunca nos deu qualquer indicação de estar infeliz na sua relação. Aconteceu tudo muito depressa, cerca de um mês. O novo namorado é um homem simpático, mas ela impôs a presença dele e ainda não estamos prontos para criar laços com esta nova pessoa na vida dela. Seria desleal para com o nosso genro se déssemos já as boas vindas a este novo homem.

Fazer ou não fazer

Brinco à luta livre com o meu filho de dez meses. Tenho sempre cuidado, mas a mãe acha que estou a ser muito bruto.

Tenho um filho de dez meses. Nos últimos dois meses, temos brincado à luta livre, ou seja eu deito-me de costas e ele sobe para cima de mim e rebola-se (eu ajudo-o, para ele não cair ao chão). Ocasionalmente, seguro-o pelas ancas e ponho-o de pernas para o ar. Durante toda a brincadeira, o meu filho dá gargalhadas. A mãe é que não está tão contente com o nosso exercício e diz que eu estou a ser muito duro. Pode-me dar alguma orientação?

Chamem os profissionais

O meu filho é muito agressivo. Espetou um lápis no olho de outra criança e uma tesoura na irmã. Pode ajudar-me?

O meu filho de seis anos tem um comportamento agressivo. Ontem foi suspenso da escola por dois dias por ter espetado um lápis no olho de outra criança. Felizmente, não houve lesões sérias. Mas uns dias antes tinha espetado uma tesoura na irmã (que tem dez anos). Já tentei falar com ele, já tirei os brinquedos do quarto dele, já o castiguei proibindo os jogos electrónicos e a televisão, mas não sei o que fazer a seguir. Pode recomendar-me um livro ou algum tipo de disciplina?

O amigo da ex

A minha filha pensa que o homem que hoje vive com a minha ex-mulher é apenas um primo. Devo dizer-lhe a verdade?

Divorciei-me em 2001, tinha a minha filha um ano. Ela tem agora onze. Eis o meu dilema. A pessoa que teve um papel importante no meu divórcio ainda está com a minha ex-mulher. E até há pouco tempo a minha filha pensava que ele era apenas um primo. Depois de tudo o por que passei, ainda fico ressentido quando a minha filha fala com ele ou passa tempo com ele. Devo continuar a engolir o meu orgulho e a deixar tudo andar como até aqui ou devo falar com a minha filha de forma subtil? Ela percebe que eu e a mãe nos divorciámos, mas desconhece o envolvimento deste homem.