Daniel Rocha

Perdido por pés

Adoro pés femininos. Excito-me imenso a vê-los - principalmente as solas -, a tocar-lhes, a lambê-los e a cheirá-los. Fazem-me atingir o orgasmo facilmente.Também gosto de sentir o cheiro de sapatos e meias de vidro. Isto é normal?

Em sexualidade existem muitos tipos de comportamento diferentes. Alguns são mais comuns do que outros, mas só por serem diferentes, não significa necessariamente que sejam errados. Quando alguns comportamentos causam mau-estar ou desconforto no próprio ou no parceiro ou quando o comportamento é motivo de problemas na nossa vida pessoal ou profissional, podemos estar perante comportamentos desajustados, também chamados de parafílicos, que precisam de intervenção especializada. Por outro lado, dentro do nosso muito diversificado comportamento sexual, encontramos os fetiches que são preferências ou fixações  por determinadas práticas, comportamentos, partes do corpo, adereços e objetos, que são relativamente comuns.

Todos nós temos as nossas preferências, a diferença entre um fetiche e uma parafilia está na dependência que o estímulo provoca na nossa intimidade. Quando refere os pés, falando especificamente das solas, os adereços, referindo-se aos sapatos, deixa de fora as meias, o que pode ser muito significativo. Seria muito importante percebermos se consegue excitar-se APENAS perante estes elementos ou se simplesmente é algo que o excita mais do que outras coisas.

Existem muitos homens que têm como preferência esta zona do corpo, como outros gostam de nádegas ou de seios. A análise mais importante está na questão da dependência ou não do estímulo que lhe chega pelo observar, tocar e lamber os pés para se excitar. Sem eles consegue ter prazer? Quando não conseguimos ter prazer sem o recurso ao comportamento fetichista poderemos precisar de apoio especializado para aprendermos a dessensibilizar o estímulo do qual estamos dependentes. Esse é um trabalho que pode ser feito em terapia sexual, normalmente recorrendo a técnicas que permitirão a mudança ou aprendizagem de novos estímulos para a obtenção de excitação sexual de outras formas.

Também é importante perceber se esse comportamento lhe causa problemas ou se está confortável com ele. Às vezes pode não lhe trazer nenhum inconveniente a si, mas ser um problema para a sua parceira, o que causará problemas ao casal no futuro. Imaginemos, por exemplo, o caso de um homem que apenas se excite e consiga atingir o orgasmo se a parceira usar saltos altos, meias e ligas durante o acto sexual. Apesar de, aparentemente, para ele não haver nenhum problema, não é de todo confortável para a mulher que, de cada vez que exista sexo, ela tenha de vestir meias e sapato altos porque não há excitação de outra forma. É importante valorizarmos as nossas preferências mas nem 8 nem 80! Afinal, não havemos de ter todos os dias disposição para entrar em determinadas fantasias, certo? 

É por questões como esta que nunca se podem dar soluções específicas, mas apenas algumas indicações. Seria muito  importante sabermos mais detalhes sobre este comportamento para perceber se realmente a sua preferência pode ser mais do que uma fantasia comum.

Ponto Quê: O prazer no Feminino

Vânia Beliz

Licenciada em Psicologia Clínica e Mestre em Sexologia, Vânia Beliz dedicou os últimos anos ao estudo da sexualidade cujos resultados tem vindo a partilhar em diversos meios de comunicação social, seminários, palestras e em eventos como o Salão Erótico de Lisboa e do Porto.

Tem consultório em Vilamoura e, em Maio de 2011, lançou o primeiro livro pela Objectiva Editora que, com o título “Ponto Quê: O prazer no Feminino”, desafia à descoberta de uma sexualidade mais plena e satisfatória.

Estatísticas: 2318 leitores, 3 comentários