RAINER HOLZ/CORBIS

O gato das botas

A melhor máquina de barbear é a mais barata da Philips — mas cuidado que isto é só para despistar

Há um grande prazer em fazer a barba como deve ser mas também é bom fazer a barba sem ter trabalho nenhum, enquanto se lê ou se vê um filme.

Há um grande prazer em fazer a barba como deve ser mas também é bom fazer a barba sem ter trabalho nenhum, enquanto se lê ou se vê um filme.

Há máquinas de barbear complicadíssimas mas a melhor de todas é a mais simples e a mais barata: a Philishave 3000. Basta mudar as lâminas de dois em dois anos. Custa menos de 30 euros na Amazon espanhola. Os números dos modelos de afeitadoras Philips são confusos e vão mudando. A maneira de se saber que é a máquina correcta é custar menos de 30 euros.

Não tem pilhas recarregáveis. É preciso ligar à corrente. Isto é um alívio. Fazer a barba sentado à frente do computador é uma preguiça deliciosa. Não é preciso espelho para nada. Basta ir passando os dedos pela cara para ir averiguando a perfeição do trabalho.

A Philishave 3000 parece igual à Philishave dos anos 1960 mas é espectacularmente melhor. Há mais de meio século que a vêm aperfeiçoando, sempre lançando modelos mais complexos e modernos que são muito mais caros mas menos satisfatórios e fiáveis. As lâminas da Philishave 3000 deixam a cara macia sem a mínima violência. Não são necessários cremes pré-barba nem cremes para depois da barba.

A Philishave é a liberdade. Por 30 euros, mais o preço da electricidade, faz-se a barba, muito bem feitinha, todos os dias, durante dois anos inteiros. Depois substituem-se as lâminas por 18 euros que duram mais dois anos, sempre a cortar bem. A despesa total por ano é exactamente 12 euros. Sim, sai a um euro por mês. E isto comprando-se uma máquina nova de quatro em quatro anos.

Faça as contas do que gasta usando o método tradicional e ficará chocado com o dinheiro — e, sobretudo, o tempo — que está a perder.

Com prática e indolência consegue-se fazer a barba em 25 minutos — o tempo de um episódio televisivo — de maneira a deixar a cara tão fofinha como se se tivesse barbeado com lâmina e espuma.

Ao contrário das outras máquinas de barbear — incluindo as da Philips — a Philishave mais básica é bonita e bem concebida. É leve e cabe bem na mão. É facílima de abrir e limpar. Não tenho a certeza mas acho que são todas azuis. Pelo menos têm sido azuis as que tenho comprado ao longo dos anos, em lojas de electrodomésticos portuguesas e estrangeiras.

Para quem tem a pele sensível, fazer a barba com lâmina molhada é uma agressão exfoliadora. A Philishave 3000 nunca irrita a pele. Não se sente. Deixa-nos fazer a barba distraidamente. É impossível magoarmo-nos. É silenciosa e nunca, nunca falha.

Não sei por que é que a Philips vende a Philishave 3000 tão barata.

Deve ser uma questão de honra. Nos outros modelos vale tudo, já que a concorrência é terrível. Mas a Philishave mais simples, que continua a ser produzida na Holanda, é um exemplo de eficácia, profissionalismo e integridade. Tem uma garantia de dois anos.

Não aderi imediatamente à Philishave 3000. Ao longo das décadas fui cedendo às enganadoras promessas dos modelos ditos mais avançados. Há uma parte estúpida em todos nós que pensa que, no fundo, gastar mais dinheiro tende a dar-nos mais qualidade.

Experimentei outras marcas — até as péssimas americanas — até chegar à conclusão, décadas depois, que a melhor máquina de todas era aquela que o meu pai me tinha dado em 1969: a Philishave mais básica. A máquina do meu pai, claro, era um modelo muito mais avançado. Deve ter sido isso que me desorientou.

Só há uns oito anos é que percebi, graças a um sábio ?lojista de Almoçageme, que aquela máquina mais barata, ?que eu julgava de principiante, era a melhor de todas. ?Era aquela que ele próprio usava há mais de 50 anos.

Escrevo isto tudo na esperança que alguma pessoa ainda nova leia estas palavras e poupe dinheiro e tempo adoptando imediatamente a Philishave 3000 para toda a vida. Eles vão mudando os números e os nomes dos modelos para confundir o pessoal, mas os comerciantes sabem sempre qual é a melhor Philishave: é a mais simples e barata. Agora é a Philishave 3000 com “ComfortCut”, “Flex & Float” e “Corded use”.

Esta última é de génio: apenas significa que tem um cabo para ligar à electricidade. É uma grande novidade. Na caixa a Philips esclarece a vantagem: “constant power”. É verdade. ?Até desligarmos a máquina ela ?não deixa de funcionar. Sejam bem-vindos ao século XXI.