• Hugo Grilo
  • Hugo Grilo
  • Hugo Grilo
  • Hugo Grilo
  • Mário Príncipe
  • Mário Príncipe
  • Hugo Grilo
  • Hugo Grilo
  • Hugo Grilo
  • Mário Príncipe
  • Mário Príncipe

Design

Isilda Pelicano juntou tradição e modernidade e criou um novo conceito

Do Alentejo para o Bairro Alto: a designer procura “salvar as raízes” e “valorizar o património português”.

Paredes em pedra nua, cheiro a cortiça e terra. Cores fortes, quentes. Quem entra no número 212 da Rua da Rosa, em LIsboa, é transportado para o norte alentejano. O novo projecto de autor da designer de moda Isilda Pelicano, JANS Concept, tem o seu berço na Herdade da Jans, em Barca da Amieira, na margem esquerda do Tejo e, em era tecnológica, traz de volta “o fascínio pelo artesanal”.

“Tudo começou com uma lenda”, explica ao Life&Style. Segundo diz a tradição, as fadas ou senhoras invisíveis chamadas Jans fiavam um linho muito fino e sem nós. Quem quisesse uma peça tecida pelas fadas, teria de deixar o linho e um bolo de farinha de trigo a cozer na lareira, durante a noite. A estória continua com a rainha Santa Isabel, que no cortejo fúnebre terá levado um vestido tecido pelas Jans e passado por um dos caminhos da herdade. “Daí o nosso logótipo”, aponta. “É uma rosa estilizada e tem algumas referências ao linho a desenrolar-se, a ser fiado, e às rosas da rainha”.

A riqueza histórica do local aliada “à vontade de produzir produtos com design contemporâneo mas com raiz tradicional” precisava de ser valorizada e “mostrada” a todos. Daí a escolha do Bairro Alto para a primeira vertente do projecto, que funciona como “laboratório de experiências” e dá a conhecer aos turistas “o melhor que temos”. Seja cortiça, cerâmica, feltro ou outro produto ainda por explorar.

De portas abertas
“Este projecto precisa de pessoas”, diz Isilda Pelicano. Desde que abriu as portas do showroom, vários artistas se interessaram, gostaram do conceito e apresentaram propostas. E é isso que se pretende com o projecto, abranger pessoas “de várias proveniências” e criar várias linhas, desde que todas se enquadrem na filosofia da marca, daí seja necessária alguma selecção.

“Porque se vir que o estilo de um artista à partida não lhe agrada, talvez seja difícil que ele se consiga enquadrar na nossa linha. Mas às vezes somos surpreendidos. O Karl Lagerfeld [director criativo da Chanel] faz colecçõesd as quais não gosto nada para a linha em nome próprio mas para a Chanel faz coisas fantásticas e que se enquadram na filosofia da casa”, compara, frisando, no entanto que não quer afastar ninguém e que todas as ideias são bem-vindas.

Os produtos
No JANS Studio Contemporary Craft, o showroom que é a primeira materialização do projecto, há lustres no tecto, abat-jours e balcões forrados a feltro preto. Mas é, acima de tudo, uma montra de design que “renova e recria” o artesanato português e cria um diálogo criativo entre estudantes e artesãos – foram criadas parcerias com o IADE e com o museu do Bordado e do Barro de Nisa com esse intuito. “É a única forma de salvarmos as nossas raízes”, defende.

À entrada, fica a cortiça de João Seco, que foi buscar inspiração às pedras do rio Tejo para jarras e taças. Mais à frente, a cerâmica de José Machado Pires e Paulo Alves. “Uns estão mais ligados ao aspecto estético do Alentejo, outros mais à olaria de Nisa”, guia-nos Isilda Pelicano.

Ao fundo, há já lugar para os produtos gourmet – a segunda fase do projecto –, vindos directamente da herdade. Licores, compotas, azeite, mel, rebuçados e ervas aromáticas estão na lista. “Tudo o que for coerente e a herdade tiver para explorar vai fazer parte. Por exemplo, nunca faremos kiwi. Não é um produto alentejano e a herdade não tem kiwis. Mas faremos geleia de marmelo, marmelada”, adianta.

Há ainda um charriot com peças de roupa onde foi a designer que deu o toque de mestria. Há pele, feltro (típico de Nisa) sobre feltro, bordados, rendas. Fiel ao conceito do princípio ao fim, Isilda Pelicano vai tirando cabides e explica que "há tecidos com tecnologia de ponta, bastante contemporâneos, aliados a tecidos muito tradicionais”. E não há duas peças iguais, ainda que existam modelos iguais, mas com materiais diferentes.

Num “futuro próximo”, a vertente gourmet e a de turismo de natureza, JANS Country House&Nature (a segunda e terceira fase), também serão implementadas. Por agora, a primeira parte do projecto JANS Concept está aberta a todos, no Bairro Alto, em Lisboa, aos dias úteis e sábados das 11h até às 20h.