A maquilhadora, Inês Franco
A maquilhadora, Inês Franco Tiago Costa

Livro

Um guia de maquilhagem para todas as mulheres

Por detrás de pincéis, pós, cremes e batons esconde-se Inês Franco, maquilhadora profissional. Agora, lançou um livro.

Há 16 anos a trabalhar na área, Inês Franco, 35 anos, lançou um livro para partilhar truques e dicas com as mulheres que querem conhecer a magia da maquilhagem. Para quem acorda de manhã a precisar de um “pózinho mágico”, para tapar olheiras e outras imperfeições. Para “ficar mais bonita, mais princesa”.

No Guia Prático de Maquilhagem, editado pela Esfera dos Livros, a maquilhadora de várias figuras públicas começa pelo princípio. “Primeiro a pele, a importância dos cuidados e da hidratação; depois o material para fazer a maquilhagem e por fim o passo-a-passo”, enumera Inês Franco ao Life&Style.

Fez um curso de maquilhagem profissional, estagiou no programa de televisão "Herman 98", ganhou visibilidade e estatuto enquanto maquilhadora. Agora dá workshops de maquilhagem e trabalha em produções fotográficas. Pelo meio teve um dos maiores desafios, numa vertente diferente da maquilhagem, a caracterização das personagens dos Gato Fedorento. Mas, diariamente, “os maiores desafios são as peles mais problemáticas, com borbulhas ou com manchas”, afirma.

Quis lançar o livro porque há muitas curiosidades sobre a arte e sobre os vários produtos que há no mercado – na página de Facebook oficial “chovem” comentários com perguntas e dúvidas –; mas também porque nota que há cada vez mais mulheres a maquilharem-se. “A maquilhagem diz tudo sobre uma mulher. Se nos cruzarmos com uma mulher com uma maquilhagem discreta, vamos achar que é uma pessoa discreta. Se virmos uma mulher com os olhos esfumados a negro, é alguém que gosta de falar com o olhar. Com lábios vermelhos, é uma mulher sensual”, enumera, defendendo que a maquilhagem “mostra a personalidade”.

E, embora ainda haja muitas asneiras quando se faz uma maquilhagem em casa, o maior erro é a escolha da base, muito por culpa da luz artificial das perfumarias. “A base é muito importante. A pele tem de ficar perfeita para o resto da maquilhagem brilhar e muitas vezes as mulheres não a sabem escolher. Ou ficam manchadas ou com a pele muito brilhante, por não ser adequada para o seu tipo”. Inês Franco diz que é tudo “uma questão de treino”. Por isso, explica tudo “tim-tim por tim-tim”.

Para o dia-a-dia
Ao contrário da maquilhagem para televisão, onde é preciso utilizar bases com mais cobertura e muito pó para combater as luzes fortes do estúdio (caso a pessoa não esteja maquilhada, a pele brilha como se tivesse óleo), no dia-a-dia, apesar de “depender do gosto da pessoa”, a base pode ser leve e o pó subtil, para matizar a pele e fixar a maquilhagem.

“Para ficar com um ar saudável logo de manhã há três coisas essenciais: corrector de olheiras, blush rosa e muito rímel para dar expressão aos olhos. E só depois um batom para dar cor”, diz. Truques que a própria Inês Franco confessa ter começado a seguir depois de algum tempo sem se maquilhar.

Caso seja uma pessoa que se maquilhe “a sério”, há um kit de retoques essencial para andar na mala todos os dias. “O importante é que a maquilhagem se mantenha igual o dia inteiro. A pele fabrica óleo, vai ficando brilhante, por isso é necessário ter uma caixa de pó translúcido compacto e um pincel para retirar o excesso de gordura ao longo do dia. Para quem usa lápis preto, são precisos cotonetes para limpar o cantinho do olho e o lápis para ir reforçando. E o batom, para ir retocando”, aconselha.

Mas, diz Inês Franco, o gosto crescente das mulheres pela maquilhagem não tem só a ver com a pressão da sociedade ou com uma ditadura da imagem. “As pessoas estão a fazer mais desporto, estão a ter mais cuidado com a alimentação e acabam por ter mais cuidado com a aparência, com o que vestem, com o cabelo, com a maquilhagem. Acordarmos todos os dias e maquilharmo-nos, sentirmo-nos bem e bonitas, faz bem à nossa saúde mental”, remata.