• REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • REUTERS/Benoit Tessier
  • Karl Lagerfeld

    Karl Lagerfeld

    REUTERS/Benoit Tessier
  • Os jardins de Versailles foram o palco deste desfile
    Os jardins de Versailles foram o palco deste desfile REUTERS/Benoit Tessier

Cruise Collection 2012/2013

Chanel, a rainha de Versailles

Se a pressa é inimiga da perfeição, Karl Lagerfeld levou o ditado à letra e preparou com cuidado mais uma das suas célebres produções. Um ano foi quanto demorou a colecção Cruise 2013 da Chanel a ser concebida. O desfile teve como cenário os jardins do palácio de Versailles e a estrela foi Marie-Antoinette.

Na colecção Cruise 2013 da marca de luxo francesa, os tons pastel dominaram a palette de cores, intercalados com um outro apontamento da dupla preto e branco. Golas e mangas exageradas remeteram-nos para o século XVIII, enquanto o cabelo, curtíssimo e colorido, nos transportou directamente para o futuro e para uma Marie-Antoinette dos tempos modernos. Detalhes em dourado emprestaram opulência a simples peças de ganga e saias e jaquetas cobriram-se de bordados e aplicações.

No fim do espectáculo, Karl Lagerfeld disse que pretendia uma colecção «flutuante e fútil». Tendo como inspiração a rainha que morreu por não querer abdicar dos seus luxuosos excessos, a colecção Cruise é a máxima irreverência em tempos de crise. Porque a opulência é praticamente um tabu, só a Chanel poderia voltar a encher Versailles de reis e rainhas.