Eu, Cayetana

A duquesa de Alba em Portugal

Cayetana Stuart y Silva, a mulher com mais títulos nobiliárquicos do mundo, esteve ontem no Estoril a promover Eu, Cayetana, a autobiografia lançada no final do ano passado.

A duquesa de Alba trouxe uma surpresa para a apresentação da sua auto-biografia em Portugal — o marido, Alfonso Díez. Num hotel no Estoril, Cayetana leu excertos do livro Eu, Cayetana e disse que só tem uma lema de vida: “Vive e deixa viver”.

O Estoril não é uma terra estranha para Cayetana que, por isso, disse estar contente por ter “um magnífico pretexto” para regressar. A Portugal, chamou “um maravilhoso país” — um seu longínquo antepassado foi o representante do rei em Lisboa durante o domínio dos Filipes e, em gratidão pelos serviços prestados, a coroa que era então ibérica, concedeu-lhe terras e títulos, ajudando a família a juntar o património que torna Cayetana a mulher com mais títulos nobiliárquicos do mundo.

O livro, explicou, escreveu-o a pensar no pai, uma personagem poderosa e influente que Franco colocou na embaixada espanhola em Londres, então a capital mais importante da Europa. “Não sei se as pessoas vão gostar de o ler”, disse a duquesa, arrancando risos à multidão que foi ouvi-la mas, sobretudo, vê-la.

Cayetana ficou instalada num histórico hotel da Costa do Sol, onde foi recebida pelo pretendente ao trono português, D. Duarte de Bragança. Outro representante da aristocracia nacional, Diana de Cadaval — a casa Cadaval tem laços familiares com os Alba —, ajudou a apresentar o livro.

A duquesa e o marido, de 85 e 61 anos, mostraram-se felizes, cumprimentando os convidados — alguns colunáveis, por exemplo Bárbara Guimarães. Inseparáveis, vivem, pode dizer-se, ainda em clima de lua-de-mel. Casaram em Outubro de 2011, depois de Cayetana ter aceite fazer as partilhas da casa de Alba, uma imposição dos cinco filhos. O casal vive entre Sevilha e Madrid, onde Díez, antigo funcionário público que pediu a reforma antes do casamento, acaba de iniciar uma nova fase profissional com a inauguração de um antiquário.