Série cinco bloggers, cinco estilos

Mini-saia, a opinion maker

Quando criou o blogue Mini-Saia, Mónica Lice assinava com o pseudónimo A Lice. Desejava discrição. À altura “postava” a partir da Guiné-Bissau, com o fim de recriar um universo que julgava estar a perder: o do consumo ocidental, sobretudo da moda feminina. Regressada a Portugal, é actualmente uma das poucas bloggers profissionais de “moda, beleza e lifestyle” do país. O Mini-Saia levou a blogger a assumir-se como figura pública e opinion maker. Hoje dá a cara na televisão, na Sic Mulher, e escreve artigos. No pouco tempo livre, é ainda consultora de imagem.

Mónica Lice - nascida na Ilha Terceira, Açores, a residir em Lisboa, 31 anos, e licenciada em Direito - chegou à blogosfera em Fevereiro de 2006. À altura, o blogue Mini-Saia tinha como premissa edificar-se como um espaço essencialmente feminino na Internet. Hoje a autora tem um rótulo na ponta da língua para classificar o espaço virtual que criou: “blogue de moda, beleza e lifestyle”.

Foi na Guiné-Bissau, onde deu aulas de Direito durante cinco anos, que Mónica Lice “materializou” a ideia do blogue, com uma motivação central: “O escape ao dia-a-dia num dos países mais pobres do mundo”. O ponto de partida era refazer-se do choque cultural que estava a experienciar, recriando um universo feminino que estava a escapar-lhe, como consumidora e mulher. “Comecei a notar que tudo aquilo a que nós, mulheres, estamos habituadas, desde revistas de moda que podemos comprar até às lojas, aos centros comerciais e perfumarias a que vamos, não havia por lá”, recorda a autora do Mini-Saia. A virtualidade - quando finalmente conseguiu instalar Internet em casa - contribuiu para o “recontacto” com uma cultura distante fisicamente e para a abertura de um “programa de autora”.

Lice lançou o projecto com um par de princípios na manga: o blogue teria uma linha editorial, como uma revista, e o registo de “egoblog”, que considera proliferar na Internet, ficaria de fora. À época, nunca falava de moda africana. Os leitores julgavam-na inclusive a escrever a partir da Europa, já que as fontes de pesquisa a que recorria e as referências culturais que partilhava eram ocidentais. Para o Mini-Saia tinha em mente publicar conteúdos originais e leves, que a própria autora tivesse prazer em ler. “[Tinha que ser] uma espécie de escape, não só para mim, mas para as pessoas que fossem lá”. Queria dar um chuto na “vida cinzenta” e provocar nos leitores boa disposição e uma sensação de descanso, enquanto exploravam o blogue. Inspiravam-na, como agora inspiram, sites de pesquisa como o Style.com, para se actualizar, ou o Sartorialist, que “pode não ser [um blogue] de moda, mas capta imagens que são moda”. Revistas estrangeiras e livros adquiridos em viagem e as próprias viagens, ícones de estilo como Grace Kelly e Jacqueline Onassis, ou filmes como Breakfast at Tiffani’s somam-se ao rol de referências e fontes que alimentam os posts do Mini Saia.

Mónica Lice abandonou, entretanto, a Guiné e o Direito, mas já em Portugal manteve o blogue activo. Antes de deixar África, publicou Dicas de Beleza. Nesse livro estavam inscritas algumas das respostas que enviou às leitoras do blogue que lhe pediam conselhos de moda e beleza. Endereçavam-lhe perguntas como: “Tenho o cabelo seco, o que fazer?”, “Vou a um casamento, o que vestir?”. Na altura, respondia intuitivamente, admite. Hoje, após uma formação em fashion styling e imago styling, é consultora de imagem profissional, quando lhe resta tempo. O blogue dispõe inclusive de uma secção reservada à marcação de consultas de imagem.