Artur Araújo
Artur Araújo

Série cinco bloggers, cinco estilos

Artur, o geek dos estilos

Tinha 17 anos quando inaugurou o blogue Artur In The Woods. Dois anos e meio depois, Artur Araújo confessa ao Life&Style ter cedido à blogosfera porque “não tinha com quem partilhar notícias e opiniões sobre moda”. Aos 19 anos, agora estudante de Sociologia, recusa a ideia de que o bosque virtual que criou seja uma mera passerelle de modelos e estilos. Artur sublinha que Artur In The Woods foi a plataforma que encontrou para expressar observações sobre moda, mas também encontros deste universo com as artes plásticas, o cinema e a música.

Artur começou a ler revistas de moda em consultórios médicos aos 13, 14 anos, recorda ao Life&Style, numa mesa do Brown's Coffee Shop, em plena Baixa Pombalina. Primeiro “achou piada” aos modelos. Depois partiu para as pesquisas sobre fotógrafos. A seguir interessou-se pelos designers. “Agora é tudo”. A dada altura sentiu a necessidade de “partilhar pensamentos com outras pessoas” sobre colecções, eventos, editoriais e campanhas de moda. Como não tinha familiares e amigos interessados no assunto, decidiu aderir ao mundo virtual para transmitir e trocar ideias. Criou o blogue Artur In The Woods no dia 7 de Março de 2010. O nome do canto na Internet, conta o autor, é uma referência a Bambi, filme da Disney “todo desenhado à mão, com uma estética lindíssima”, baseado em Bambi, A Life In The Woods, romance austríaco publicado em 1923.

O agora estudante de Sociologia só começou a seguir blogues dedicados à moda depois de criar o seu espaço na Internet. Hoje admite investir “imenso tempo em frente ao computador” [o Tumblr é a principal fonte de Artur], a fazer pesquisas, qual "geek dos estilos", como o próprio se intitula. Isto quando não está num evento para o qual costuma ser convidado por agências de comunicação, que na sua opinião já colocam os bloggers em pé de igualdade com os jornalistas. Na mais recente edição do ModaLisboa - como reconheceram também as bloggers Mónica Lice e Ana Garcia Martins -, Artur apercebeu-se que afinal havia uma comunidade de bloggers que trocava ideias e fotografias entre si durante o evento. Tem a impressão de que, para fora, passa a ideia de uma “comunidade coesa”.

O autor de Artur In The Woods – visitado por cerca de 400 pessoas por dia – acredita que o seu blogue não dita tendências, mas que se distingue pela “análise de comportamentos e mudanças sociais no que diz respeito à estética”, perspectiva que julga herdar do curso de Sociologia. Artur assume gostar de observar as pessoas nos eventos de moda, de questionar “se elas realmente estão a interpretar um papel”.

Araújo tem um prazer particular em provocar com tiradas como “a parte mais interessante da moda não são as roupas” ou “os meus ícones de estilo são anti-fashion”. Acrescenta que estes nem são necessariamente do mundo da moda. Num longo desfile de preferências, destaca as actrizes Chlöe Sevigny e Charlotte Gainsbourg, o actor Vincent Cassel ou Mick Jagger nos anos 1970. Gosta de escrever sobre fenómenos culturais e ainda de “postar” colecções antigas de designers dos anos 1980 e 90 para desmontar a ideia de que o acessório do ano ou da estação é o último grito da moda. No blogue partilha ainda vídeos (Avalon, dos Roxy Music, é um exemplo), fotografias de moda que citam a amalgatofilia [fetiche por estátuas], os nomes e os conteúdos das revistas da especialidade que anda a ler e as capas de discos que considera arte.

Artur Araújo – que escreve ainda para o portal Janela Urbana e que pondera saltar da licenciatura em Sociologia para um mestrado nas áreas da Comunicação e do Marketing – tem notado que, mesmo não sendo lido por milhares, tem um público fiel, o que se reflecte, acredita, nos seguidores da sua página do Facebook, que são na sua maioria apreciadores de moda, pessoas que trabalham na indústria e editores de moda.

Artur In The Woods é “um hobby, por enquanto”, embora Artur admita que esta “plataforma para mais tarde incluir no currículo” lhe tem proporcionado oportunidades, como “conhecer gente interessante” num meio que nega ser “frio”, uma posição que sabe na direcção contrária ao estereótipo vigente, e o convite pela Pepe Jeans London para fazer a cobertura de um concerto dos Twin Shadow em Lisboa num festival da marca.

Para o blogger - um dos poucos homens a escrever sobre moda em Portugal - a observação dos pormenores é essencial quando se movimenta pelos eventos de moda ou quando circula pela Internet e pelas revistas à procura de inspiração para os seus posts. Artur conta que nos últimos tempos tem reparado que as “pessoas começam a fartar-se mais depressa das coisas”, acrescentando que já começou a notar “algum revivalismo dos anos 2000” em 2011. Ao Life&Style comenta o exibicionismo e a obsessão de pessoas do mundo da moda por “estar à frente do tempo” em eventos como a Semana da Moda de Milão. Na edição deste ano “as pessoas estavam vestidas [em Junho] com colecções de Outono só para dizer que as tinham”. Artur viu em imagens do evento pessoas com casacos e botas de Inverno, recorda a sorrir.

“Existem demasiados catálogos” travestidos de blogues na Internet, nota Artur Araújo, o que considera “um bocado pobre”. O blogger acredita que esse tipo de sítios “não prende as pessoas”. Diz que não aprecia a exposição pública, embora já tenha dado a cara numa campanha da Springfield. Assume que o blogue é “uma parte importante” da sua vida e que o objectivo é, desde o início, “partilhar, informar e brincar com as coisas”, e “atrair pessoas que não se interessam só pelo superficial”. Artur In The Woods é um “hobbie, por enquanto”, mas admite que “talvez mude de opinião”.